Delcídio apoiou pedido para adiar sessão de Renan

O senador Delcídio Amaral (PT-MS) assinou com o colega Aloizio Mercadante (PT-SP) um requerimento pedindo que o julgamento de hoje do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), fosse adiado. O principal argumento dos petistas é de que não há prova conclusiva e consistente que pudesse sugerir crime fiscal cometido por Renan. Além disso, queriam que o plenário só tomasse uma decisão depois da votação dos outros três processos contra o peemedebista em tramitação no Conselho de Ética. Mercadante tentou convencer alguns senadores da oposição a assinarem o documento, mas não teve sucesso. "Senti que o clima estava muito polarizado", confessou depois Mercadante. Delcídio ainda foi aconselhado pelos senadores Tião Viana (PT-AC) e Sergio Guerra (PSDB-PE) a desistir da assinatura. "Saia desta Delcídio", disseram. Até aquele momento ninguém falava em abstenção no plenário. Por isso, o PSDB atribuiu a Mercadante o comando da operação que resultou em seis abstenções e na absolvição de Renan. "A manobra já estava pronta", disse Sergio Guerra. "Estava tudo combinado", completou o presidente do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.