Rodrigo Félix/Estadão
Rodrigo Félix/Estadão

Delatores confirmam mesada de até R$ 500 mil a Cabral

Ex-executivos da Carioca Engenharia dão depoimento à Justiça sobre pagamentos em espécie a ex-governador do Rio

Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

09 de outubro de 2017 | 14h42

RIO - Os delatores Tania Maria Silva Fontenelle e Rodolfo Mantuano, ex-executivos da empreiteira Carioca Engenharia, declararam, em depoimento ao juiz da 7.ª Vara Federal Criminal, Marcelo Bretas, nesta segunda-feira, 9, que a empresa pagou mesada de R$ 200 mil a R$ 500 mil ao ex-governador Sérgio Cabral (PMDB) entre os anos de 2009 até “2013 ou 2014”. Eles já haviam fornecido essas informações quando fizeram delação premiada.

+++ Justiça condena Sérgio Cabral a 45 anos de prisão

Os dois ex-executivos admitiram saber à época que os pagamentos eram indevidos. Contaram que os recursos eram entregues a duas pessoas de confiança de Cabral, Carlos Miranda e Luiz Carlos Bezerra, ambos presos. Os pagamentos eram feitos em espécie, na sede da empresa, e chegaram a ocorrer também na própria residência de Tania.

+++ Defesa de Cabral consegue suspender leilão de bens do ex-governador

+++ Leilão de bens de Cabral

O valor de R$ 200 mil perdurou por “dois ou três anos”, Tania informou, e depois passou para R$ 500 mil. Os valores não mudavam caso se tratasse de um ano eleitoral. Ambos os depoentes relataram que, por vezes, a empresa não dispunha do montante, e o pagamento passava para o mês seguinte, “para completar o valor”, disse.

“O dinheiro vinha de contratos superfaturados de empresas que já prestavam serviço à Carioca, e alguns poucos eram contratos totalmente simulados, para geração desses recursos em espécie”, afirmou.

Cabral está preso há 11 meses, acusado de comandar uma organização criminosa que perdurou durante seus dois mandatos no governo fluminense (2007-2014).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.