Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Delator relatou propina a Aécio em NY, diz revista

Benedicto Júnior , ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura, afirmou em depoimento que a construtora fez depósitos para o senador numa conta operada por sua irmã, Andrea Neves, de acordo com a Veja; assessoria do tucano diz que a acusação é 'falsa e absurda'

O Estado de S.Paulo

31 Março 2017 | 23h39

O ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura Benedicto Júnior afirmou em depoimento que a construtora fez depósitos para o presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), numa conta de Nova York operada por sua irmã, Andrea Neves, de acordo com reportagem da revista Veja deste fim de semana. Conhecido como BJ, Benedicto é um dos 78 executivos da empreiteira a firmar acordo de delação premiada com a Justiça.

Segundo a reportagem, o ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura afirmou que os valores foram entregues como “contrapartida” ao atendimento de interesses da construtora em obras da Cidade Administrativa, do governo de Minas Gerais, realizadas entre 2007 e 2010, e da usina hidrelétrica de Santo Antônio, em Rondônia, de cujo consórcio participa a Cemig, a estatal estadual de energia elétrica.

No texto, a revista diz que confirmou a denúncia de BJ com três fontes distintas, todas ligadas ao processo de delação. 

Em nota, a assessoria do senador tucano afirmou que a acusação é “falsa e absurda”. “O advogado do senador Aécio Neves, Alberto Toron, informa que entrou em contato com o advogado Alexandre Wunderlich, que representa o delator Benedicto Júnior, e este lhe informou que não existe na delação de seu cliente qualquer referência à irmã do senador ou a qualquer conta vinculada a ela em Nova York.”

Conforme a nota, “se confirmadas tais declarações – vazadas ilegalmente –, elas precisam necessariamente de comprovação, dada a gravidade de seu conteúdo”. “Tal conta nunca existiu. As acusações publicadas na revista Veja são falsas e absurdas.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.