DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Delator diz que Mantega loteava cargos no Carf

Ex-auditor da Receita Federal Paulo Roberto Cortez afirma em delação premiada que ex-ministro da Fazenda nomeava pessoas ligadas a ele para cargos estratégicos no órgão

O Estado de S.Paulo

01 de dezembro de 2017 | 00h00

O ex-auditor da Receita Federal Paulo Roberto Cortez afirmou em delação premiada que o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega nomeava pessoas ligadas a ele para cargos estratégicos no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) para beneficiar empresas. A informação foi antecipada nesta quinta-feira, 30, pela GloboNews. 

A delação de Cortez, que também atuou como conselheiro do Carf, embasou a denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal contra o ex-ministro, no dia 8, por corrupção passiva, advocacia administrativa tributária e lavagem de dinheiro. Outras 13 pessoas também foram denunciadas. 

+++Procuradoria denuncia Mantega por corrupção na Zelotes

Subordinado à Fazenda, o Carf é a instância para a qual as empresas recorrem contra multas aplicadas pela Receita Federal. Segundo o delator, conselheiros do órgão receberam propinas para dar votos favoráveis ao perdão das multas de empresas, o que resultava em prejuízos milionários ao erário. 

À GloboNews, o advogado de Mantega, José Roberto Batochio, afirmou que a nomeação dos integrantes do Carf não é um ato “meramente discricionário” do ministro da Fazenda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.