Delação de primo não refletirá opinião de Pedro Corrêa, diz defesa do deputado

Parlamentar foi preso na sexta-feira por suposto envolvimento no esquema de corrupção na Petrobrás

Murilo Rodrigues Alves, O Estado de S. Paulo

12 Abril 2015 | 09h45

BRASÍLIA - O advogado Michel Saliba divulgou nota na manhã deste domingo, 12, para informar que a defesa do ex-deputado Pedro Corrêa (PP-PE), que teve na sexta-feira ordem de prisão decretada no âmbito da Operação Lava Jata, só vai se pronunciar oficialmente sobre o caso após a análise dos autos.


No sábado, o Estado publicou que o advogado Clóvis Corrêa Filho sugeriu que o primo, Pedro Corrêa, colaborasse com a Justiça e fizesse delação premiada. Segundo a nota enviada pela assessoria de imprensa do escritório Saliba Oliveira & Advogados Associados, de propriedade de Michel Saliba, a sugestão de Clóvis Corrêa não reflete o pensamento do primo condenado, "quer em relação à robustez das provas" e "principalmente, em relação à possível prática de delação premiada, algo sequer cogitado pelo ex-parlamentar, que afirma ter agido nos limites legais". 


"Ele tem 67 anos de idade, é diabético, tem pressão alta. O caminho que ele tem é o de colaborar com a Justiça", disse Clóvis. "Vai passar a República a limpo, se ele contar tudinho", completou. 


Pedro Corrêa foi condenado em 2012 no processo do mensalão. Nas investigações da Lava Jato, é suspeito de recebido valores ilícitos do doleiro Alberto Yousseff, um dos principais operadores do esquema de desvios na Petrobrás, mesmo quando estava sob julgamento no Supremo Tribunal Federal. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.