Déficit nas contas externas do Brasil cresce 43% em novembro

Número seguirá negativo em 2011, com déficit de 2,87% do PIB, segundo Banco Central.

BBC Brasil, BBC

21 Dezembro 2010 | 12h42

As transações do Brasil com o exterior, conta que inclui o comércio e o fluxo de capitais financeiros, tiveram um déficit de US$ 4,7 bilhões em novembro, valor 43% acima do registrado no mesmo mês do ano passado.

Considerando os últimos 12 meses, o rombo chega a 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), de acordo com dados divulgados nesta terça-feira pelo Banco Central.

Pelas estimativas da autoridade monetária, esse déficit deve ficar em US$ 64 bilhões em 2011 ou 2,87% do PIB.

Uma conta corrente negativa, como no caso brasileiro, é sinal de que o país está "se financiando" com capital estrangeiro, em vez de usar poupança interna.

Os economistas argumentam que o número não pode ficar "tão negativo", já que esse capital pode simplesmente deixar o país. Já o governo tem defendido que ainda não há motivo de preocupação, pois grande parte da entrada de capitais está sendo aplicada em projetos de longo prazo.

A conta tem ficado negativa desde 2007, em função da expansão econômica do país - que passou a atrair mais capital estrangeiro, tanto para investimentos de longo prazo como para o mercado financeiro.

O déficit também se acentuou ao longo deste ano, como resultado da valorização do real frente ao dólar.

Com o câmbio valorizado, o Brasil tem aumentado de forma significativa suas importações, ao mesmo tempo em que as exportações são prejudicadas, reduzindo assim o saldo da balança comercial.

Os gastos de brasileiros com viagens ao exterior aparecem, mais uma vez, como um dos motivos do déficit em conta corrente em novembro. No mês passado, esses gastos somaram US$ 1,51 bilhão, valor 54% acima do registrado em novembro de 2009. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.