Defesa vai recorrer da prisão de Paulo Roberto Costa

O advogado de defesa de Paulo Roberto Costa informou na tarde desta quarta-feira, 11, que vai recorrer da prisão preventiva do ex-diretor da Petrobras. Nélio Machado acompanhou o cliente na chegada à Superintendência da Polícia Federal, no Rio. Costa já realizou exame de corpo de delito e vai passar a noite na carceragem da PF. Ele será transferido para Curitiba nesta quinta-feira, dia 12.

CLARISSA THOMÉ, Agência Estado

11 Junho 2014 | 19h01

A defesa vai pedir que o cliente aguarde o julgamento em liberdade. "Essa prisão é uma precipitação, uma medida quase de justiçamento em detrimento das regras inerentes ao processo legal", afirmou Machado. O advogado questionou a decisão do Supremo Tribunal Federal, nesta terça-feira, de devolver o processo à justiça federal do Paraná sem que a defesa de Costa pudesse se manifestar no julgamento sobre a competência do caso, como já havia solicitado.

Segundo Machado, a segunda turma do STF, responsável pela decisão, se reuniu no momento em que Costa prestava depoimento à CPI do Senado, acompanhado de seus advogados. Dessa forma, a defesa não estava presente na sessão do supremo. "Insisto que a competência da Justiça Federal do Paraná é altamente questionável. Até pouco tempo atrás a decisão sobre a competência era decidida pelo pleno, garantindo a defesa a possibilidade de se manifestar", completou Machado.

O advogado também questionou o pedido de prisão preventiva por causa de uma "suposta conta bancária" que Costa manteria no exterior. "Não tenho essa notícia. A prisão é resultado de informação que teria chegado ao conhecimento do juiz e que precisa ser provada. Isso deve ser apurado", afirma Machado lembrando que os passaportes de seu cliente já foram entregues à Polícia Federal.

Mais conteúdo sobre:
Lava Jato Petrobras prisão Costa

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.