Defesa reafirma que delação premiada de Costa é ilegal

A defesa do ex-diretor da área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró reforçou, em nota divulgada nesta sexta-feira, a linha que adotará em relação aos depoimentos do ex-diretor de Abastecimento da estatal, Paulo Roberto Costa, e do doleiro Alberto Youssef. Como afirmou ontem em entrevista ao Broadcast, serviço da Agência Estado de notícias em tempo real, o advogado Edson Ribeiro alega que a delação premiada de Costa e Youssef é ilegal, pois foi acertada sob coerção e prisão dos dois.

VINICIUS NEDER, Estadão Conteúdo

10 de outubro de 2014 | 17h35

"As declarações de Paulo Roberto Costa devem ser analisadas com reservas. Ele estava sob pressão, já que estava preso e na expectativa de que sua família fosse, também, processada e presa", diz a nota do advogado. Nessas condições, argumenta, o depoimento não poderia ser considerado espontâneo. "Toda e qualquer forma de violência ou ameaça, física ou moral, na obtenção da deleção premiada, leva à invalidade da prova", diz a nota.

Tudo o que sabemos sobre:
Lava JatodelaçãodefesaCerveró

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.