Defesa não está em 'delírio coletivo', diz advogado de Costa

Ávila Bessa diz que ministros não podem se basear no clamor da sociedade para decidir se instauram a ação

23 de agosto de 2007 | 10h40

Marcelo Luiz Ávila Bessa, advogado do deputado federal Valdemar Costa Neto (PR-SP), à época presidente do PL (atual PR), iniciou nesta quinta-feira, 23, seu discurso dizendo que os advogados que apresentaram as defesas no primeiro dia do julgamento não podem ter sido tomados de "delírio coletivo" ao apontar defeitos na denúncia do procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza. O Supremo Tribunal Federal (STF) está no segundo dia do julgamento para decidir sobre a instauração de ação penal contra os 40 investigados no escândalo do mensalão.   Para o advogado, a denúncia não pode ser provada e "o procurador-geral sabe disso" porque, segundo ele, muito do que há nela não "condiz com a realidade". E completou dizendo que os ministros do STF não podem se basear no clamor da sociedade ao decidir se instauram ou não a ação penal contra os 40 acusados do mensalão.   Veja também:   Advogado pede para STF separar 'mensaleiro de inocente mensageiro' 'Nunca vi esse tipo de diálogo', diz ministro sobre troca de mensagens Fotógrafo flagra conversa entre ministros e STF proíbe fotos STF tem segundo dia de julgamento do mensalão Supremo tende a aceitar ação contra os 40 mensaleiros CONJUR: Indícios bastam para que denúncia seja aceita Veja imagens do julgamento  Íntegra do relatório do ministro Joaquim Barbosa   Quem são os 40 do mensalão   Saiba como o STF vai examinar a denúncia do 'mensalão' Deputados na mira: os cassados, os absolvidos e os que renunciaram  Entenda: de uma câmera oculta aos 40 do mensalão    Primeiro a falar de forma coletiva - "denunciados" -, Bessa também tentou desqualificar a denúncia de Antonio Fernando, mas ressaltou que o problema não é o documento em si, mas a forma como foi elaborado - com base nos depoimentos da CPI dos Correios enquanto o caso ainda estava sendo investigado na Polícia Federal. "O procurador optou em fazer a denúncia quando ainda não haviam sido completadas as investigações. Daí a inconsistência, a inépcia", disse.   Valdemar é acusado de formação de quadrilha, corrupção passiva e lavagem de dinheiro. O esquema do mensalão - pagamento de uma suposta mesada a parlamentares para votarem a favor de projetos do governo - foi denunciado por Roberto Jefferson, então deputado pelo PTB e presidente da legenda, que acabou sendo cassado por conta de seu envolvimento.   Segundo Jefferson, os pagamentos mensais chegavam a R$ 30 mil e o esquema de repasse do dinheiro era feito através de movimentações financeiras do empresário Marcos Valério. Dos acusados de envolvimento no esquema, foram cassados José Dirceu, Roberto Jefferson (PTB-RJ), que denunciou o mensalão, e Pedro Corrêa (PP-PE). Quatro parlamentares renunciaram para fugir do processo e 11 foram absolvidos.

Tudo o que sabemos sobre:
MENSALÃO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.