Defesa elogia decisão ''acertada''

Em nota divulgada ontem, os advogados do ex-extremista italiano Cesare Battisti, Suzana Figueiredo, Fábio Antinoro, Georghio Tomelin e o petista Luiz Eduardo Greenhalgh, consideram "acertada" e "bem fundamentada" a decisão do ministro do ministro da Justiça, Tarso Genro, de conceder refúgio político ao militante italiano, condenado à prisão perpétua em seu país por quatro homicídios. Os advogados alegam que o processo de extradição movido contra Battisti pelo governo italiano "é fruto de motivação exclusivamente política". Negam também que ele tenha cometido qualquer dos quatro assassinatos pelos quais foi condenado, à revelia, em julgamento que consideram "viciado" na Itália, na década de 80. "Somente quem conhece o processo superficialmente pode considerar a decisão de conceder o refúgio político equivocada", dizem os defensores.Battisti, conforme a nota, foi inicialmente condenado a 12 anos de reclusão pelos crimes de uso de documento falso e participação em organização criminosa. Mas foi inocentado das quatro mortes cometidas pela organização Proletários Armados pelo Comunismo (PAC), à qual ele disse ter pertencido apenas como organizador cultural, sem ter participado de execuções. Após renunciar à luta armada, ele se exilou no México e depois na França, na era François Mitterrand.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.