Defesa diz que Queiroz apenas resolveu demandas do partido

Segundo advogado, recursos recebidos de agências de Marcos Valério foram repassados para a direção nacional do PTB

Eduardo Bresciani, de O Estado de S. Paulo

13 de agosto de 2012 | 18h47

O advogado Ronaldo Garcia Dias afirmou em defesa do ex-deputado Romeu Queiroz que ele somente resolveu demandas internas do PTB ao pedir a um aliado para receber recursos de agências de Marcos Valério. Segundo a defesa, os recursos foram repassados para a direção nacional do PTB e não teriam nenhuma relação com votações no Congresso.

"Ele foi resolver uma demanda do partido. Esses valores, em absoluto, não passaram pelo parlamentar, mas pelo dirigente partidário", afirmou o advogado.

Dias afirmou que três saques que teriam acontecido por intermediação de Queiroz tiveram como destinação final a presidência do partido, ocupada por José Carlos Martinez, na primeira ocasião, e por Roberto Jefferson nas outras duas. Disse ainda que outro recurso sacado por outro auxiliar era na verdade uma doação por meio de caixa dois feita pela Usiminas usando uma agência de Marcos Valério. Enfatizou que nesse caso na própria agência bancária já foram feitas transferências eletrônicas para candidatos a vereador e prefeitos pelo partido em cidades mineiras.

Ele destacou que Queiroz foi absolvido no julgamento político a que foi submetido na Câmara dos Deputados. Observou que o PTB tinha um ministro no governo, Walfrido Mares Guia, então no Turismo, e disse que o apoio parlamentar devia-se a isso. Pediu que a conduta do cliente seja analisada de forma individualizada sem que os ministros se deixassem levar por relações feitas pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel. "O Supremo está julgando condutas individualmente falando não aquelas locuções bem construídas, mas infundadas, construídas pelo procurador-geral da rrepública".

Tudo o que sabemos sobre:
mensalaojulgamentoSTFRomeu Queiroz

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.