Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Defesa diz que CPI ‘desrespeita’ militares; presidente de comissão se diz ‘intimidado’

Senador Omar Aziz criticou o ‘lado podre’ das Forças Armadas por envolvimento em ‘falcatrua’ no governo Jair Bolsonaro; nota de resposta foi articulada pelo ministro Braga Netto

Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

07 de julho de 2021 | 21h15

BRASÍLIA – O Ministério da Defesa e a cúpula das Forças Armadas entraram em colisão política com a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid. Os militares reagiram nesta quarta-feira, dia 7, ao presidente da CPI, senador Omar Aziz, que criticou o "lado podre" das Forças Armadas por envolvimento em "falcatrua" no governo Jair Bolsonaro. Os comandantes e o ministro da Defesa acusaram Aziz de desrespeitar as Forças Armadas e generalizar "esquemas de corrupção" na CPI. Aziz retrucou no plenário do Senado, dizendo-se "intimidado" pela primeira ofensiva sobre o Congresso realizada em conjunto pelos novos comandantes militares nomeados por Bolsonaro.

As investigações da CPI levantaram suspeitas de envolvimento de uma série de oficiais, da ativa e da reserva, em irregularidades durante a pandemia do novo coronavírus. Parte deles foi levada para o Ministério da Saúde durante a gestão do general de Divisão Eduardo Pazuello, ex-ministro alvo da CPI, enquanto outros estariam ligados a tentativas de venda de vacinas ao governo.

Nesta quarta-feira, Aziz determinou a prisão em flagrante por falso testemunho do ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde Roberto Ferreira Dias, que foi controlador de voo da Força Aérea Brasileira (FAB). Ele depôs à CPI na condição de testemunha depois de ser acusado de cobrar propina para fechar um contrato de vacinas com a empresa Davati. Segundo Aziz, Dias mentiu aos senadores reiteradamente.

Em determinado momento, o presidente da CPI desabafou: "As Forças Armadas, os bons das Forças Armadas devem estar muito envergonhados com algumas pessoas que hoje estão na mídia, porque fazia muito tempo, fazia muitos anos que o Brasil não via membros do lado podre das Forças Armadas envolvidos com falcatrua dentro do governo. Fazia muitos anos. Aliás, eu não tenho nem notícia disso na época da exceção que houve no Brasil, porque o Figueiredo morreu pobre, porque o Geisel morreu pobre, porque a gente conhecia... E eu estava, naquele momento, do outro lado, contra eles. Uma coisa de que a gente não os acusava era de corrupção, mas, agora, Força Aérea Brasileira, Coronel Guerra, Coronel Elcio, General Pazuello e haja envolvimento de militares das Forças Armadas".

A manifestação de Aziz irritou os governistas. O senador bolsonarista Marcos do Val (Podemos-ES) disse que o presidente da CPI se desfez das Forças Armadas. Aziz voltou a reiterar a crítica: "O que eu quero explicar é que, infelizmente, o que nós temos ouvido aqui nos relatos do depoente é que geralmente tem alguém das Forças Armadas. Isso não é bom para o Brasil. Não é bom".

A nota de resposta foi articulada pelo ministro Braga Netto, general de Exército da reserva escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro como interventor na Defesa. Ele foi o responsável por coordenar a troca inédita de toda a cúpula da Defesa, no fim de março, quando o presidente cobrava alinhamento político ao seu governo. A nota pública foi assinada também pelos comandantes da Marinha, almirante Almir Garnier Santos, da Aeronáutica, brigadeiro Carlos de Almeida Baptista Junior, e do Exército, general Paulo Sergio Nogueira de Oliveira."Essa narrativa, afastada dos fatos, atinge as Forças Armadas de forma vil e leviana, tratando-se de uma acusação grave, infundada e, sobretudo, irresponsável", rebateram os militares. "As Forças Armadas não aceitarão qualquer ataque leviano às Instituições que defendem a democracia e a liberdade do povo brasileiro."

Leia a íntegra da nota do Ministério da Defesa e da cúpula das Forças Armadas

O Ministro de Estado da Defesa e os Comandantes da Marinha do Brasil, do Exército Brasileiro e da Força Aérea Brasileira repudiam veementemente as declarações do Presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito, Senador Omar Aziz, no dia 07 de julho de 2021, desrespeitando as Forças Armadas e generalizando esquemas de corrupção.

Essa narrativa, afastada dos fatos, atinge as Forças Armadas de forma vil e leviana, tratando-se de uma acusação grave, infundada e, sobretudo, irresponsável.

A Marinha do Brasil, o Exército Brasileiro e a Força Aérea Brasileira são instituições pertencentes ao povo brasileiro e que gozam de elevada credibilidade junto à nossa sociedade conquistada ao longo dos séculos.

Por fim, as Forças Armadas do Brasil, ciosas de se constituírem fator essencial da estabilidade do País, pautam-se pela fiel observância da Lei e, acima de tudo, pelo equilíbrio, ponderação e comprometidas, desde o início da pandemia Covid-19, em preservar e salvar vidas.

As Forças Armadas não aceitarão qualquer ataque leviano às Instituições que defendem a democracia e a liberdade do povo brasileiro.

Walter Souza Braga Netto

Ministro de Estado da Defesa

Alte Esq Almir Garnier Santos

Comandante da Marinha

Gen Ex Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira

Comandante do Exército

Ten Brig Ar Carlos de Almeida Baptista Junior

Comandante da Aeronáutica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.