Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Defesa de Paulo Maluf relata agravamento de doença em laudo enviado a juiz

Ex-governador cumpre prisão domiciliar por lavagem de dinheiro; segundo auxiliares, nos últimos dois meses, ele passou 30 dias internado

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

12 de fevereiro de 2020 | 16h15

Condenado pelo crime de lavagem de dinheiro a sete anos e nove meses de prisão, num processo que o acusa de ter desviado dinheiro da construção da avenida Água Espraiada quando era prefeito de São Paulo, o ex-governador Paulo Maluf, 88, apresenta um quadro médico delicado e teve complicações decorrentes de um câncer de próstata.

Segundo um boletim obtido pelo Estado e assinado pelo oncologista Fernando Cotait, o ex-governador tem uma série de “comorbidades relevantes”: doença arterial coronariana não obstrutiva, hipertensão arterial sistêmica, doença de refluxo gastroesofágico, pneumonias aspirativas e alteração cognitiva-motora senil.

O laudo seria enviado nesta quarta-feira, 12, pela defesa de Maluf ao o juiz da 4ª Vara de Execuções Penais de São Paulo, Rogerio Alcazar, que pediu o documento. O ex-governador ficou preso em regime fechado no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília, entre dezembro de 2018 e abril de 2019. Por decisão do ministro Dias Toffoli, do STF, o parlamentar passou para regime domiciliar.

Ainda segundo o relatório médico de Fernando Cotait, que acompanha o caso, Maluf apresenta desde dezembro de 2018 um quadro de “infecção de trato respiratório de repetição, associados a sepse grave com rebaixamento do nível de consciência”.

Maluf ficou internado 30 dos últimos 60 dias, se locomove de cadeira de rodas e está sentindo dores frequentemente, segundo interlocutores. "Ele teve oito pneumonias até o final do ano passado", disse Jesse Ribeiro, o mais próximo amigo do ex-governador.  

Retorno. Foi o ministro Luiz Edson Fachin, relator da ação penal na qual o deputado federal foi condenado por lavagem de dinheiro, quem concedeu o Habeas Corpus de ofício para que Paulo Maluf se mantenha em prisão domiciliar por razão humanitária.

Há na defesa do ex-governador, porém, o temor que esse decisão possa ser revertida O Estado apurou que causou desconforto a iniciativa de auxiliares de Maluf de reativar a conta dele no Twitter. Foram duas postagens feitas no último dia 10. “Saudades da época em que se trabalhava em São Paulo, hoje só se fala mal e não trabalham. Paulo Maluf fez diversos piscinões, deixou em projeto outros vários e que infelizmente administrações posteriores não deram seguimento”.

Em seguida, o tuíte comentou  sobre as chuvas na capital.  “Vendo o caos que hoje estamos a única frase que vem na cabeça é: Que saudades do Maluf!!! #equipemaluf".

Maluf foi deputado federal por quatro mandatos, governador de São Paulo entre 1979 e 1982 e prefeito de São Paulo em duas oportunidades: de 1969 a 1971 e de 1992 a 1996.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Paulo Malufcâncerprisão domiciliar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.