Defesa de Lula reitera que não houve direito a julgamento 'justo e independente'

Cristiano Zanin Martins comentou em nota decisão do TRF-4

Luiz Vassallo, Ricardo Brandt e Julia Affonso, Estadao Conteudo

31 Janeiro 2018 | 20h22

O advogado Cristiano Zanin Martins, que defende o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, afirmou nesta quarta-feira, 31, em nota, que a "consolidação perante os tribunais brasileiros do entendimento de que o juiz Sérgio Moro não perdeu a imparcialidade para julgar Lula (...) reforça a importância do comunicado feito ao Comitê de Direitos Humanos da ONU (Organização das Nações Unidas) em julho de 2016 de que o ex-presidente não teve direito a um julgamento justo, imparcial e independente".

Martins comentou decisão, pela 8.ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) que rejeitou, por unanimidade, nesta quarta-feira, 31, mais um pedido de exceção de suspeição contra Moro, da 13.ª Vara Federal de Curitiba, movido pela defesa de Lula.

Leia a íntegra da nota da defesa:

"A consolidação perante os Tribunais brasileiros do entendimento de que o juiz Sérgio Moro não perdeu a imparcialidade para julgar Lula a despeito das relevantes provas em sentido contrário apresentadas pela defesa reforça a importância do comunicado feito ao Comitê de Direitos Humanos da ONU em julho de 2016 de que o ex-Presidente não teve direito a um julgamento justo, imparcial e independente.

CRISTIANO ZANIN MARTINS"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.