Defesa de João Paulo recorre a ministro da Justiça e Aécio Neves

Alberto Toron, advogado do deputado federal, defendeu contratação de jornalista para atuar na Câmara

Eduardo Bresciani, de O Estado de S. Paulo

08 de agosto de 2012 | 19h02

A defesa do deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP) recorreu a um depoimento do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e à contratação no passado de um jornalista pelo agora senador Aécio Neves (PSDB-MG) para defender Cunha de uma acusação de peculato no processo do mensalão no Supremo Tribunal Federal. Cunha é o único réu candidato nas eleições de outubro. Ele disputa a prefeitura de Osasco (SP).

O advogado Alberto Toron começou sua exposição defendendo a contratação do jornalista Luiz Costa Pinto por meio de empresa do próprio jornalista para atuar na Câmara. O Ministério Público sustenta que o profissional prestou serviços a Cunha, não à instituição. Toron destacou depoimento de parlamentares de diversos partidos e enfatizou as declarações de Cardozo em juízo. O ministro afirmou que o jornalista trabalhava para a Câmara.

O senador tucano Aécio Neves foi lembrado pelo advogado por já ter, no passado, contratado o mesmo jornalista da mesma forma (que Cunha contratou) quando ocupou a presidência da Casa. "Não se pode falar em peculato porque o trabalho foi contratado e prestado, um trabalho que vinha desde a época do presidente Aécio Neves", destacou.

Toron afirmou que o fato de a empresa do jornalista ser registrada em sua residência não é um problema e voltou a dizer que se isso fosse alvo de questionamento a pergunta devia ser novamente levada também a Aécio Neves. "É uma questão fiscal".

Tudo o que sabemos sobre:
mensalaojulgamentoJoão Paulo Cunha

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.