Defesa de Jaqueline diz que Conselho não pode julgá-la

O advogado José Eduardo Alckmin solicitou hoje ao Conselho de Ética da Câmara o arquivamento do processo contra a deputada Jaqueline Roriz (PMN-DF) com o argumento de que o colegiado não tem poderes para julgar a parlamentar por fato ocorrido antes do mandato. Jaqueline foi flagrada em vídeo de 2006 recebendo um pacote de dinheiro do delator do "mensalão do DEM", Durval Barbosa. A gravação foi publicada em primeira mão no início do mês pelo portal Estadao.com.br.

EDUARDO BRESCIANI, Agência Estado

29 de março de 2011 | 17h23

Nas 19 páginas da peça entregues ao Conselho, a defesa de Jaqueline usa decisões anteriores para afirmar que o colegiado não pode puni-la pelo fato de 2006. "A inusitada situação dos autos causa estranheza uma vez que não é possível imaginar que alguém que não esteja especificamente submetido ao Estatuto de Ética Parlamentar possa vir a responder processo ético perante o egrério Conselho. Ora, somente quem possui a condição de membro do poder Legislativo poderia eventualmente quebrar o decoro inerente ao exercício do mandato", diz trecho da defesa.

O advogado relata decisão de 2007 do próprio Conselho de Ética, tomada com base em parecer do agora ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo (PT-SP), que determinou o arquivamento de processos com base no argumento de que eles eram anteriores ao mandato. Alckmin destacou algumas investigações sobre fatos pretéritos autorizadas pelo Judiciário para destacar a diferença com o caso atual. O advogado cita casos em que o investigado foi parlamentar em legislatura anterior ou estava licenciado. Ele ressalta que sua cliente não se encaixa nestes quadros.

Tudo o que sabemos sobre:
éticaCâmaradefesaJaqueline Roriz

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.