Wilton Júnior/Estadão
Wilton Júnior/Estadão

Defesa de Dilma comemora posição de ministros do TSE contra exame de delações da Odebrecht

Ministros Napoleão Nunes Maia Filho, Tarcísio Vieira e Admar Gonzaga Neto rejeitaram os fatos da chamada "fase Odebrecht"

Breno Pires e Leonencio Nossa, O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2017 | 13h55

A defesa da ex-presidente Dilma Rousseff comemorou há pouco a posição contrária de três ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ao exame das delações da Odebrecht no julgamento da ação da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer. "Os ministros estão sensíveis ao que sempre dissemos. Houve uma extrapolação do objeto da ação", afirmou o advogado Flávio Caetano.

Caetano observou que as posições dos ministros Napoleão Nunes Maia Filho, Tarcísio Vieira e Admar Gonzaga Neto, que rejeitaram os fatos da chamada "fase Odebrecht" são ainda indicativos da votação do mérito da ação no colegiado de sete membros. "É claro que essas posições são vistas como uma sinalização", disse o advogado. "A campanha da presidente foi regular e legítima. O tribunal reconheceu os 54 milhões de votos dados a Dilma Rousseff."

O advogado disse que, excluindo-se as delações da Odebrecht, os ministros analisam um acervo de mais de 50 depoimentos e três anos de investigações. "A fase pré Odebrecht já foi uma devassa na campanha de Dilma e Temer", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.