Defesa de Demóstenes pede que STF pare investigações

Advogado argumenta que apurações foram feitas por autoridade sem competência para investigar um senador; processo averigua ligação entre parlamentar e contaventor Carlinhos Cachoeira

Mariângela Gallucci, da Agência Estado

10 de abril de 2012 | 19h41

BRASÍLIA - A defesa do senador Demóstenes Torres (sem-partido-GO) pediu nesta terça-feira, 10, ao Supremo Tribunal Federal (STF) que suspenda as investigações abertas contra o parlamentar por suspeita de envolvimento com o empresário do ramo de jogos ilegais Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

O pedido será decidido nos próximos dias pelo ministro do STF Ricardo Lewandowski, que é o relator do inquérito aberto para investigar o senador. O advogado de Demóstenes Torres, Antonio Carlos de Almeida Castro, também requereu a suspensão da realização das diligências determinadas no final de março por Lewandowski, entre as quais, a quebra do sigilo bancário do congressista.

Castro entregou nesta terça ao ministro do Supremo uma reclamação com o pedido de liminar para que as investigações sejam paralisadas. O advogado argumenta que as apurações foram feitas por autoridade que não tinha competência para investigar um senador.

No Brasil, os parlamentares somente podem ser investigados perante a supervisão do STF e a pedido do procurador-geral da República. No caso de Demóstenes Torres, a defesa argumenta que o congressista foi monitorado por meses sem que o Supremo tivesse autorizado.

Além da reclamação, o advogado deve pedir nesta semana ao Ministério Público Federal que investigue o vazamento para a imprensa de informações sobre a Operação Monte Carlo, da Polícia Federal.

Tudo o que sabemos sobre:
DemóstenesSTF

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.