Defesa de Dantas parte para o ataque e critica Lula no caso

Machado apresentou documento que será encaminhado ao MP questionando clareza do processo de Dantas

Anne Warth, da AE

18 de julho de 2008 | 15h19

O sócio-fundador do Banco Opportunity, Daniel Dantas, chegou por volta das 14h30 à Polícia Federal, na Capital, para novo depoimento e, de acordo com informações de sua defesa, deverá manter a mesma estratégia dos depoimentos anteriores e não responder às perguntas que lhe serão formuladas. Na chegada à PF, o advogado do banqueiro, Nélio Machado, apresentou à imprensa um documento que será encaminhado às autoridades policiais, ao Ministério Público e à Justiça, questionando a lisura do processo que envolve seu cliente. "Este documento é um protesto formal com respeito a tudo o que vem ocorrendo neste caso, pré julgamento do meu cliente, manobra das prisões. Existe algo de malvadeza nisso, pois o inquérito (da Operação Satiagraha) é uma devassa medieval."   Além de Dantas, estão na PF Verônica Dantas (irmã do banqueiro), Carlos Bernardo Torres Rodemburg (sócio e vice-presidente do Banco Opportunity), Itamar Benigno Filho, Norberto Aguiar Tomáz, Arthur Joaquim de Carvalho, Eduardo Penido Monteiro, Maria Amália Delfin de Melo Coutrin, Dório Ferman e Danielle Silbergleid Ninio.   Veja também: Dantas chega à PF para terceiro depoimento na semana Ouça trechos da reunião que decidiu a saída do delegado  Apesar do apelo de Lula, Protógenes deixa caso Dantas na sexta Juiz aceita denúncia e Daniel Dantas vira réu por corrupção ativa Entenda como funcionava o esquema criminoso  Veja as principais operações da PF desde 2003  As prisões de Daniel Dantas    Machado fez também duras críticas às autoridades governamentais, incluindo o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ministro da Justiça, Tarso Genro. E classificou a PF, o Ministério Público Federal (SP) e o juiz do caso (Fausto Martin De Sanctis, titular da 6ª Vara Federal Criminal) de "triunvirato acusatório". Nas críticas ao presidente Lula e ao ministro Tarso Genro, o advogado de Dantas argumentou: "Freqüento o ambiente da PF há mais de 30 anos e não vejo ministro de Estado e presidente da República falando de investigação. Nunca vi um presidente da República convocando reunião para tratar de um assunto como este. Se Lula está insatisfeito com alguém da PF, ele que mude, que altere ministério."   O advogado disse lamentar também a celeuma na PF e afirmou achar estranho a divulgação de apenas 3 minutos (da gravação da reunião da Polícia Federal) porque não se sabe o contexto de toda a conversa a respeito da situação do delegado Protógenes Queiroz, que comanda o inquérito. Na avaliação de Machado, seu cliente já foi prejulgado e só querem prendê-lo e algemá-lo. "Quero que a investigação seja isenta, o que não vem ocorrendo. Ele (Dantas) está sendo perseguido."   Apesar de manter a estratégia do silêncio, Machado disse que seu cliente e outras pessoas ligadas ao Opportunity, também arroladas no inquérito, "atenderam à convocação informal da Polícia Federal para mostrar que confiam na Justiça porque ela tarda, mas não falha".

Tudo o que sabemos sobre:
Operação Satiagrahacaso DantasPF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.