Defesa de Dantas não acredita que MPF apresentará denúncia

Banqueiro e mais nove foram indiciados nesta sexta pela PF por gestão fraudulenta e formação de quadrilha

Ricardo Leopoldo, da Agência Estado

18 de julho de 2008 | 21h14

O advogado de defesa do banqueiro Daniel Dantas , Nélio Machado, não acredita que o indiciamento de seu cliente e mais nove executivos do Opportunity vai resultar no oferecimento de denúncia por parte do Ministério Público Federal à Justiça. "Na atual conjuntura, não acredito que há evidências que sustentem uma eventual denúncia (de formação de quadrilha e gestão fraudulenta) contra meu cliente", destacou o advogado. E emendou: "Enquanto isso, a defesa vai manter sua postura serena e sem precipitações e continuaremos estudando os desdobramentos deste episódio."  Veja também:Ouça trechos da reunião que decidiu a saída do delegado  Juiz aceita denúncia e Daniel Dantas vira réu por corrupção ativa Entenda como funcionava o esquema criminoso Veja as principais operações da PF desde 2003 As prisões de Daniel Dantas   Machado disse que os dez  indiciados  pela Polícia Federal foram ouvidos pelo delegado Protógenes Queiroz individualmente. Segundo os advogados do sócio-fundador do Banco Opportunity, Dantas teria sido o penúltimo a depor, porém, o banqueiro ficou em silêncio, como ocorreu nos dois depoimentos anteriores. "Recomendei ao meu cliente não falar nada, pois é mais adequado neste momento, que é muito conturbado, e é preciso ter uma visão mais clara dos fatos", comentou. O advogado ressaltou que Dantas continua à disposição da Justiça e não vai sair do País. Sobre o fato de o banqueiro, Hugo Chicaroni e Humberto Braz terem se tornado réus por corrupção ativa na última quarta-feira, Nélio Machado afirmou que espera que o juiz Fausto De Sanctis conduza o processo sem presunção de culpa. "Acredito na Justiça de meu País e vamos mostrar de forma cabal que Daniel Dantas é inocente", finalizou.

Tudo o que sabemos sobre:
Caso Dantasoperação Satiagraha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.