Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Defesa de Cunha diz que informações sobre Lava Jato são 'sonegadas' pela PGR

Advogados de presidente da Câmara pedem ao Supremo acesso aos depoimentos do delator Julio Camargo para a Procuradoria-Geral da República

BEATRIZ BULLA, O Estado de S. Paulo

07 de agosto de 2015 | 16h21

Brasilia - A defesa do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), enviou manifestação ao Supremo Tribunal Federal (STF) para ter acesso a depoimentos prestados pelo lobista Julio Camargo à Procuradoria-Geral da República (PGR) no âmbito das investigações da Operação Lava Jato, que apura esquema de corrupção na Petrobrás. Os advogados do peemedebista argumentam que o Ministério Público Federal está "sonegando" informações da defesa.

À Justiça Federal no Paraná, Julio Camargo relatou o pagamento de US$ 5 milhões a Cunha. O depoimento veio à público há pouco menos de um mês. No entanto, de acordo com o advogado do presidente da Câmara e ex-procurador-geral da República, Antônio Fernando de Souza, o lobista relatou que já prestou depoimentos à PGR em Brasília, responsável pela condução do inquérito que apura a participação do parlamentar no esquema de corrupção na Petrobrás.

"O que se observa nesse caso concreto é que os atos investigativos conduzidos pelo órgão máximo do Ministério Público Federal estão sendo sonegados tanto à defesa do requerente como, especialmente, ao Supremo Tribunal Federal, órgão responsável por fiscalizar a legalidade dos atos realizados pelas autoridades policiais e do Ministério Público, especialmente quando se trata de inquérito judicial", reclamam os advogados de Cunha ao Supremo.

"O próprio Procurador-Geral da República reconhece já ter realizado atos investigatórios (sobre Cunha)", argumentam os advogados. Os depoimentos de Camargo prestados em Brasília permanecem em sigilo até o momento. A defesa de Cunha quer que toda a investigação realizada pela PGR sobre Cunha, especialmente os depoimentos de Camargo, seja juntada no caso que tramita no STF.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.