Defesa de assessor admite 4 saques do 'valerioduto'

A defesa de José Luiz Alves, ex-chefe de gabinete do ex-ministro Anderson Adauto, admitiu que ele realizou quatro saques de recursos do valerioduto, mas negou a prática de lavagem de dinheiro. O advogado Roberto Pagliuso afirmou que Alves agiu por ordem do chefe e que para eles a origem do dinheiro era o PT e não algum esquema criminoso. "O ministro solicitou a ele sacar recursos no Banco Rural para saldar dívidas de campanha. A origem era o PT", disse o defensor.

EDUARDO BRESCIANI, Agência Estado

15 de agosto de 2012 | 16h14

Segundo o advogado, os recursos sacados por Alves somaram R$ 200 mil e serviram para saldar dívidas remanescentes da campanha de Adauto para deputado federal em 2002. "A campanha tinha dívidas com postos de gasolina, trio elétrico e material publicitário, que foram pagas desta forma".

Ele concluiu destacando que o ex-assessor do ex-ministro faz aniversário nesta quarta. Disse que a condição de réu já serviu como uma condenação e solicitou ao tribunal que absolva seu cliente.

Tudo o que sabemos sobre:
mensalãojulgamentoAdautoassessor

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.