DIDA SAMPAIO/ESTADAO
DIDA SAMPAIO/ESTADAO

Defesa de Aécio diz que ele tem cumprido integralmente medidas do STF

Após a notícia de que o Senado estaria descumprindo decisão da Corte ao manter todos os seus benefícios do senador, procurador da Lava Jato defendeu que o afastamento de Aécio em seu Twitter

Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

12 de junho de 2017 | 19h01

BRASÍLIA - A defesa do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) declarou nesta segunda-feira (12) que o tucano "tem cumprido integralmente" as medidas cautelares determinadas pelo ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF). Em nota, o advogado Alberto Zacharias Toron destacou que Aécio se afastou do Senado e de qualquer atividade parlamentar.

"A defesa recorreu da decisão do STF demonstrando não haver previsão constitucional e tampouco regimental sobre afastamento de mandato, razão pela qual requereu a suspensão dessa cautelar. O senador aguarda manifestação do STF e, até lá, mantêm-se afastado do Congresso e de todas as suas atividades parlamentares em respeito ao Supremo Tribunal Federal", diz o texto.

Após a notícia de que o Senado estaria descumprindo decisão da Corte ao manter o gabinete de Aécio em funcionamento e todos os seus benefícios, o procurador Deltan Dallagnol, que integra a força-tarefa da Lava Jato, defendeu que o afastamento de Aécio "objetiva proteger a sociedade" e, caso seja desobedecido, a solução seria prender o parlamentar, como pediu o procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Na sexta, 9, Janot reforçou o pedido de prisão preventiva de Aécio junto ao Supremo. Janot defende que, devido a alta gravidade do delito e o risco de reiteração, a prisão preventiva é "imprescindível para a garantia da ordem pública". (Julia Lindner)

A defesa do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) declarou nesta segunda-feira (12) que o tucano "tem cumprido integralmente" as medidas cautelares determinadas pelo ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF). Em nota, o advogado Alberto Zacharias Toron destacou que Aécio se afastou do Senado e de qualquer atividade parlamentar.

"A defesa recorreu da decisão do STF demonstrando não haver previsão constitucional e tampouco regimental sobre afastamento de mandato, razão pela qual requereu a suspensão dessa cautelar. O senador aguarda manifestação do STF e, até lá, mantêm-se afastado do Congresso e de todas as suas atividades parlamentares em respeito ao Supremo Tribunal Federal", diz o texto.

Após a notícia de que o Senado estaria descumprindo decisão da Corte ao manter o gabinete de Aécio em funcionamento e todos os seus benefícios, o procurador Deltan Dallagnol, que integra a força-tarefa da Lava Jato, defendeu que o afastamento de Aécio "objetiva proteger a sociedade" e, caso seja desobedecido, a solução seria prender o parlamentar, como pediu o procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Na sexta, 9, Janot reforçou o pedido de prisão preventiva de Aécio junto ao Supremo. Janot defende que, devido a alta gravidade do delito e o risco de reiteração, a prisão preventiva é "imprescindível para a garantia da ordem pública". (Julia Lindner)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.