Foto: Pedro Ramos/Ministério da Cidadania
Foto: Pedro Ramos/Ministério da Cidadania

Defesa busca patrocínio para estudantes e atletas

Portaria autoriza Forças Armadas a receber apoio de empresas privadas em programas de marketing social e competições militares

Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

10 de fevereiro de 2020 | 05h00

BRASÍLIA - As Forças Armadas buscam empresários para bancar competições esportivas e programas de marketing social. Uma portaria assinada pelo ministro da Defesa, Fernando de Azevedo e Silva, libera patrocínios privados nos uniformes de atletas em torneios militares e nos materiais distribuídos a estudantes atendidos por projetos promovidos pelos quartéis.

A permissão para ostentar logomarcas de empresas em banners, bonés e camisetas levou em conta um problema de caixa. Do ano passado para cá, os recursos do programa Forças no Esporte, destinado a crianças e adolescentes, e também do projeto de alto rendimento de atletas foram reduzidos.

Em 2019, o Ministério da Defesa investiu R$ 40 milhões no programa Forças no Esporte, voltado a estudantes de 6 a 18 anos, especialmente de periferias de cidades, regiões de fronteira e municípios da Amazônia. Neste ano, a pasta planeja gastar R$ 79 milhões, mas até agora o orçamento só garantiu R$ 23 milhões.

Um total de 29 mil crianças e jovens foi atendido pelo programa no ano passado. Mesmo sem depender dos patrocínios, o ministério tem a meta de beneficiar, daqui até dezembro, 40 mil estudantes.

Diretor do Departamento de Desporto Militar do Ministério da Defesa, o general Jorge Antonio Smicelato afirmou que a medida, assinada pelo ministro no último dia 20, “abrirá a porta” dos eventos das Forças Armadas a empresários que costumam demonstrar interesse em colaborar com as competições.

A intenção é atrair pequenos e médios empresários do interior, de localidades no entorno dos batalhões. “Muitos queriam ajudar e não sabiam como”, disse o general. “Agora, em vez de reclamar do governo e deixar o jovem servir de aviãozinho ao tráfico, o pequeno empresário pode ajudar no aumento de crianças atendidas.”

O governo não vê conflito de interesses nas publicidades privadas, em especial nas roupas e equipamentos de atletas da Aeronáutica, do Exército e da Marinha que participam de competições militares. Segundo Smicelato, as parcerias serão monitoradas pela estrutura de fiscalização dos comandos das Forças e dos órgãos externos. “A margem para qualquer irregularidade é mínima”, afirmou.

Em outra esfera, a portaria abre espaço a patrocínios de atletas de alto rendimento das Forças Armadas. Neste caso, a medida só prevê a publicidade em competições militares. A preparação para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos, organizados pelo Comitê Olímpico Internacional, não foi abrangida pela portaria. Mesmo assim, a Defesa avalia que poderá atrair grandes empresas. O ministério aposta na aceitação da “marca” das Forças para garantir patrocínios elevados e compensar a queda de recursos.

Jogos

Neste ano, o setor esportivo militar terá um investimento de R$ 5,8 milhões, quase a metade do gasto em 2019. A queda foi sentida também na área específica do alto rendimento. O orçamento prevê R$ 735 mil para a preparação dos atletas, abaixo dos R$ 2,6 milhões desembolsados no ano passado. Neste caso, a diminuição dos recursos também está relacionada ao calendário esportivo. A Defesa gastou mais em 2019 para garantir a preparação dos atletas nos Jogos Mundiais Militares na China. Os brasileiros conquistaram um terceiro lugar no quadro geral de medalhas, ficando atrás dos donos da casa e dos russos.

Os atletas de alto rendimento, neste primeiro semestre, estão sendo financiados pelo Comitê Olímpico Brasileiro, de olho na Olimpíada de Tóquio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.