Déda promete dar prioridade aos pobres em Sergipe

Fiscalizem e cobrem do governo. Esse foi o pedido feito pelo novo governador de Sergipe, Marcelo Deda (PT) empossado nesta segunda-feira em solenidade na Assembléia Legislativa, à toda comunidade. Ele garantiu que sua prioridade serão os pobres, os sem-terra, sem-teto, "enfim, meu governo será voltado para os excluídos". Atacado pelo opositor - o ex-governador João Alves Filho, PFL, de quem recebeu o cargo nesta segunda - de não ter uma postura com relação ao rio São Francisco, Marcelo Deda afirmou que "é contra a transposição do Velho Chico" e que fará tudo que estiver ao seu alcance para que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva(PT) faça, primeiro, a revitalização.Marcelo Deda - que prometeu um governo de mudança durante toda a campanha eleitoral - assegurou o fim da era da mesmice, frisando que estava feliz por vencer "décadas de oligarquia, de ausência de alternância no poder, de uma elite divorciada do povo", numa referência ao governador João Alves Filho que tentava se manter no poder pela quarta vez. "Consegui vencer as principais oligarquias do Estado. Essa não é uma vitória qualquer", afirmou Deda, sendo aplaudido de pé na Assembléia Legislativa.Antes da solenidade, na Assembléia Legislativa, Marcelo Deda participou de uma missa de ação de graças na Catedral Metropolitana, lembrando que na sua formação aprendeu que quem prega a paz e que todos são filhos de Deus: "essa é na realidade a proclamação da igualdade entre os homens". Ele pediu a todas as pessoas que assistiam à missa e a todos os sergipanos que dedique uma parte de suas orações "para este irmão que assume tarefa tão importante, que é dirigir os destinos do meu Estado". No final de seu discurso na igreja, Marcelo Déda pediu: "que Deus me dê forças e não me faça esquecer de onde vim. Porque quem sabe de onde veio nunca perde o rumo da vida".Deda, 46 anos, é 79º governador de Sergipe. Foi eleito no primeiro turno, em outubro passado, com 52,46% dos votos válidos, quebrando décadas de poder das famílias Franco e Alves que dominaram a política estadual. "Sou um homem de esquerda, democrata e socialista", disse o governador. Marcelo Deda começou a militância política estudantil em pleno regime militar (1964-85) participando dos congresso da União Nacional dos Estudantes (UNE) e se filiou ao PT, em 1981, aos 21 anos. Aos 25, candidatou-se a prefeito de Aracaju, ficando em segundo lugar.Depois foi eleito deputado estadual com maior votação da história de Sergipe à época - 32 mil votos, e em 1994 elegeu-se deputado federal, sendo reeleito, em 1998, com 83 mil votos, a maior votação proporcional do país naquele ano. Em 2000, foi eleito prefeito de Aracaju, depois de iniciar a campanha com pouco mais de 4% das intenções de voto. Na reeleição para prefeito, em 2004, novo recorde: venceu no primeiro turno com ampla vantagem entre todos os candidatos - 71,38% dos votos contra 18,05% da candidata Susana Azevedo (PPS).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.