Decretada prisão preventiva de ex-prefeito de Ribeirão Bonito

A juíza de Ribeirão Bonito (SP), Adriana Alberguetti Albano, decretou a prisão preventiva do ex-prefeito Antonio Sérgio de Mello Buzzá (PMDB), que renunciou ao cargo em 24 de abril. Ele é suspeito de comandar um esquema de corrupção na prefeitura, com desvio estimado em cerca de R$ 1 milhão. O advogado de Buzzá, Tito Costa, que o defende na Comissão Processante (CP) da Câmara, disse que deverá pedir um habeas corpus ao Tribunal de Justiça (TJ). "Ele (Buzzá) está sofrendo um massacre processual", disse Costa.A prisão preventiva saiu em decorrência da ação criminal movida pelo promotor Marcel Zanin Bombardi, que ainda pediu a prisão de outras 11 pessoas (dois vereadores, ex-funcionários municipais e empresários) que estariam envolvidas no esquema, como falsificação de documentos, formação de quadrilha, falsidade ideológica, fraudes em licitações e peculato (apropriação de dinheiro público).Porém, a juíza só acolheu o pedido contra Buzzá, que não estaria colaborando com a Justiça na apuração das investigações e que, solto, representaria ameaça às testemunhas. Além disso, ele não foi mais visto na cidade desde a renúncia. Bombardi deverá recorrer ao TJ para que as outras 11 pessoas sejam presas.Um abaixo-assinado está circulando no município para afastar a mulher de Buzzá, Vera Lúcia, do quadro de funcionários da prefeitura, pois ela saberia do esquema.Devido a novas denúncias, os vereadores também deverão investigar o possível desvio de verbas do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e Valorização do Magistério (Fundef). Outra denúncia é uma possível irregularidade na merenda escolar em administrações anteriores à gestão de Buzzá. A Câmara pediu esclarecimentos ao atual prefeito Antônio Angelo Fabbri (PMDB), que deverá se manifestar em 15 dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.