Decretada prisão de nove assentados

O juiz Atis Araújo de Oliveira de Teodoro Sampaio, no Pontal do Paranapanema, decretou a prisão preventiva de nove agricultores do assentamento Água Nova, na fazenda Margarida, a cerca de 50 km da cidade. Os nove agricultores são acusados de assassinar Gilmar Santiago Reis, de 43 anos, e torturar José Natércio dos Santos Sobrinho, de 24, seus vizinhos. Reis foi morto a chutes, pauladas e tiros em seu lote, na tarde da última sexta-feira. Ele era suspeito de furtar quatro bezerros de Laércio Ferreira da Cruz, de 40 anos, um dos acusados. O corpo foi enterrado de cabeça para baixo, em um buraco na mata. O corpo foi encontrado ontem à tarde.No dia do assassinato de Reis, Natércio foi torturado para que confessasse ou apontasse o autor do furto dos animais. Segundo o delegado de Teodoro Sampaio, Donato Farias de Oliveira, a sessão de tortura durou cinco horas. "Além de bater na vítima, os acusados colocaram canos de armas de fogo em sua boca várias vezes, ameaçando atirar", relatou Oliveira.Ainda segundo o delegado, para se livrar dos agressores Natércio prometeu colaborar, mas pediu e conseguiu prazo até a manhã de sábado. Solto, o agricultor fugiu e se escondeu, reaparecendo ontem na delegacia de Teodoro Sampaio para contar o que havia acontecido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.