Decretada prisão de candidato suspeito de elo com PCC

A Justiça de Taboão da Serra decretou hoje a prisão temporária (por cinco dias) de Ney Santos, de 29 anos, candidato a deputado federal pelo PSC e investigado pela Polícia Civil por suposto envolvimento com o tráfico de drogas e com a facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). Preso sob a acusação de roubo em 2003, Ney saiu da prisão em 2006 e acumulou patrimônio de R$ 50 milhões nos últimos quatro anos. O candidato passou a ser investigado há 90 dias por causa do rápido enriquecimento.

PEDRO DA ROCH, JOSMAR JOZINO E LUIZ GUILHERME, Agência Estado

17 de setembro de 2010 | 20h16

Nesta semana, a Justiça bloqueou os bens dele - dentre os quais constavam uma Ferrari, avaliada em R$ 1,4 milhão, duas casas em Alphaville, cada uma no valor de R$ 2 milhões, 15 postos de combustíveis, escritórios, apartamentos, casas e outros carros de luxo. No Tribunal Regional Eleitoral (TRE), Ney Santos declarou ser empresário e ter um patrimônio no valor de R$ 1.279.286,85. De acordo com a Receita Federal, sua movimentação financeira é incompatível com os rendimentos declarados.

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições 2010Ney SantosPCCprisãoSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.