Decretada falência do laboratório que faz o Celobar

O juiz da 1ª Vara Empresarial do Rio, Gustavo Bandeira da Rocha Oliveira, negou hoje o pedido de concordata preventiva e decretou a falência do laboratório Enila, que produz o contraste Celobar, suspeito de ter provocado a morte de pelo menos 22 pessoas em cinco Estados. ?O deferimento deste favor legal ao empresário torpe e inescrupuloso seria um prêmio à desonestidade?, afirmou o juiz. O Estado procurou o advogado do laboratório, Paulo Henrique Lins, mas ele disse que não poderia falar e desligou o telefone.O Enila entrou com pedido de concordata preventiva em 6 de junho, dez dias depois da divulgação de mortes. A dívida informada pelo laboratório à Justiça é de R$ 4,1 milhões.O juiz determinou o lacre dos estabelecimentos comerciais do Enila, que está interditado por decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).Os diretores do laboratório são o administrador de empresas norte-americano Alan L. MacAdams, o economista Marcio D?Icarahi Câmara Lima e o engenheiro químico Oswaldo Jofre Travassos.

Agencia Estado,

01 de julho de 2003 | 20h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.