Declarações de ex-diretor do FDE são 'absurdas', afirma deputado tucano

Walter Feldman diz que campanha de Serra jamais ofereceu dinheiro em troca de denúncia contra Chalita

27 de fevereiro de 2013 | 14h55

O deputado Walter Feldman (PSDB-SP) afirmou que as declarações do ex-diretor do FDE Milton Leme são absurdas e que a campanha de José Serra jamais ofereceu dinheiro em troca de denúncias contra adversários.

 

"Absurdo... Isso não existe, é uma loucura. A campanha do Serra jamais entraria numa coisa dessas. A gente é vítima dos aloprados e jamais entramos na prática de dossiês", disse Feldman.

 

O deputado disse que o analista de sistemas Roberto Grobman o apresentou a um homem que confirmaria as acusações contra o deputado Gabriel Chalita (PMDB-SP), mas afirmou não lembrar se essa pessoa era Milton Leme. Feldman declarou que não deu nenhum prosseguimento ao contato.

 

"Uma vez o Roberto trouxe uma pessoa para falar comigo, mas nem me lembro o nome. Houve o contato, mas depois não houve nenhum desdobramento. Não tem nada a ver com a campanha", disse Feldman. "O Roberto disse que precisava me apresentar uma pessoa, em um momento que eu estaria no Shopping Higienópolis. Mas se você me perguntar o nome do cara, eu nem sei qual é. Se ele passar por mim na rua, não o reconheço."

 

O tucano reforçou que jamais teve a intenção de usar as acusações de Grobman contra Chalita na eleição.

 

"O Roberto queria falar do Chalita. Ele achava que o momento da campanha era importante e nós descartamos essa ideia. Levamos ao Ministério Público, mas não houve nada mais. O Serra nunca soube disso e a campanha nunca soube disso", afirmou. "Como eu era da área política da campanha, chegava muita informação, mas não entramos em campanha com nada em relação a candidaturas adversárias. Se tem algo grave, que vá ao MP." / Daniel Bramatti, Bruno Boghossian, Fausto Macedo e Julia Duailibi

Tudo o que sabemos sobre:
chalita

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.