Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Declarações de Ciro sobre julgamento de Lula irritam PT

Setores do partido cogitavam a possibilidade de apoio ao ex-ministro caso Lula seja impedido de concorrer

Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

13 Dezembro 2017 | 16h50

Declarações do pré-candidato Ciro Gomes (PDT) sobre o julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo Tribunal Regiuonal Federal da 4a Região, marcado para o dia 24 de janeiro, irritaram a cúpula petista.

Em vídeo divulgado nesta terça-feira, 12, pelas redes sociais, Ciro disse que, apesar da presunção de inocência a qual Lula tem direito, “não se pode inverter as coisas” e “Justiça boa é Justiça rápida”.

+++ 'Não quero ser candidato se for culpado', diz Lula

O tesoureiro nacional do PT, Emídio de Souza rebateu a declaração. “Justiça boa não é a rápida nem a lenta . É a justa. A que não queima etapas. A que se guia pela regra não por quem é o réu. Ciro é tão apressado quanto a própria Justiça”, afirmou.

Até esta terça-feira, setores do PT cogitavam a possibilidade de apoio a Ciro caso Lula seja impedido de concorrer na reta final da eleição de 2018. Depois da decisão do TRF-4 e da declaração de Ciro, a hipótese fica ainda mais improvável.

LEIA MAIS notícias sobre Lula

BOULOS

A fixação do prazo para julgamento de Lula também tem impacto em outros setores da esquerda como, por exemplo, o PSOL. O partido aguarda uma resposta de Guilherme Boulos, líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), ao convite para ser candidato a presidente pela legenda.

+++ À espera de Boulos, PSOL adia escolha de nome para eleição de 2018

Lideranças do PSOL acreditavam que o maior entrave para a decisão de Boulos é a fidelidade do líder sem-teto a Lula. Boulos estaria esperando uma decisão da Justiça antes de aceitar o convite. O partido chegou a estipular prazo até o final de janeiro para Boulos anunciar a decisão. Agora, com o prazo definido para janeiro, o PSOL avalia que aumentaram as chances de o líder sem-teto aceitar o convite.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.