André Dusek/AE - 11.10.2011
André Dusek/AE - 11.10.2011

Declaração de Valcke é 'inadmissível', diz presidente da comissão da Lei da Copa

Deputado Renan Filho (PMDB-AL) engrossa coro de críticas ao secretário-geral da Fifa por sugerir 'chute no traseiro' do Brasil

Eduardo Bresciani, do estadão.com.br

05 de março de 2012 | 12h23

O presidente da comissão especial que analisa a Lei Geral da Copa, deputado Renan Filho (PMDB-AL), classificou de “inadmissível” a declaração do secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke de que o Brasil precisava de um “chute no traseiro” para acelerar os preparativos para os eventos.

 

“Enquanto interlocutor da Fifa com o governo brasileiro, é inadmissível que o secretário-geral faça uso de expressões inconsequentes, deselegantes e de linguajar chulo, sem considerar as responsabilidades que essa relação e seu cargo exigem”, diz o presidente da comissão em nota divulgada nesta segunda-feira, 5. Renan Filho chamou ainda de “insultuosa, descuidada e inapropriada” a manifestação de Valcke.

 

Apesar do contra-ataque, o peemedebista afirmou estar mantida para amanhã a sessão da comissão para a votação do projeto, como cobra a Fifa. Relatou que a comissão especial só começou a trabalhar no dia 19 de outubro de 2011 e que tem feito amplo debate sobre o projeto. “Apesar de árduo, o trabalho tem sido produtivo e célere”.

 

A declaração de Valcke tem provocado uma crise na relação do governo brasileiro com a entidade máxima do futebol. O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, afirmou que o Brasil não aceita mais o secretário-geral como interlocutor com a Fifa. O assessor da Presidência Marco Aurélio Melo foi além e chamou Valcke de “vagabundo”. O secretário-geral da Fifa já classificou a reação brasileira como “infantil”.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.