Declaração de Uchôa é sandice, diz Paulo Renato

Pela primeira vez, o número de professores com cursos de mestrado ou doutorado nas instituições públicas e privadas de ensino superior ultrapassou o de docentes sem titulação.De 1999 para 2000, o porcentual de professores com títulos passou de 49% para 51%. Consideradas isoladamente, as instituições privadas ainda computam 57% de seus docentes sem títulos.Na avaliação do Censo do Ensino Superior, as avaliações de cursos pelo Ministério da Educação (MEC) forçaram as instituições privadas a contratarem mais profissionais com pós-graduação.De 1996 para 2000, o número de docentes mestres e doutores passou de 28% para 43% na rede privada. O porcentual chegou a 67,5% nas federais e 58,5% nas estaduais.Ao apresentar a melhoria na titulação de professores, o ministro da Educação, Paulo Renato Souza, criticou declaração do fundador da Universidade Estácio de Sá, do Rio, João Uchôa Netto, que teria dito à imprensa que pesquisa científica é uma ?inutilidade pomposa?. ?Isso é lamentável, uma sandice?, afirmou o ministro.O aumento na oferta de vagas no período noturno é um dos entraves do ensino superior, segundo o MEC. Dos 483 mil alunos nas universidades federais, 111 mil estudam à noite. O ministério acha pouco, especialmente em instituições das regiões Norte e Nordeste. Nestas duas regiões, mais de 56% dos alunos estudam de manhã e à tarde.A falta de opções no período noturno é um dos maiores obstáculos, na avaliação do MEC, à entrada de estudantes carentes e que precisam trabalhar no horário comercial.Também foi registrado crescimento na oferta de vagas nas instituições localizadas em cidades do interior. De 1999 até o ano passado, o crescimento nesse setor aumentou 16%. Já nas universidades e faculdades das capitais esse índice foi de 11%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.