Declaração de Lula não foi ofensiva, diz Mercadante

O líder do governo no Senado, Aloizio Mercadante (PT-SP), disse hoje, em entrevista ao programa Bom Dia Brasil, da TV Globo, que a declaração do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ontem na CNI, de que nem o Legislativo e nem o Judiciário o impedirão de levar o País ao rumo certo, não foi ofensiva. "Ele (Lula) falou no seu compromisso e na sua crença de que o Brasil vai dar certo", afirmou Mercadante, para quem a independencia dos poderes não pode ser confundida com interesses corporativos dos funcionários do Poder. "Eu acho que a representação corporativa deve ser dada aos sindicatos que têm o papel legal e legítimo de representar os funcionários do Judiciário, Executivo e Legislativo e não autoridades que representam o Poder, que têm de preservar a integridade do Poder", afirmou Mercadante, em referência à reação, especialmente do Judiciário, sobre a proposta do governo de reforma da Previdência. Para o líder, a reforma previdenciária é fundamentel e os servidores públicos dos três poderes têm de entender que as condições em que se aposentaram não são sustentáveis, e não estão de acordo com a situação do país. "O que está aí não é sustentável. Não tem condições do País continuar com esse sistema do setor público", disse Mercadante.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.