Declaração de Dilma foi 'aloprada', diz ex-exilado político

Declaração de Dilma foi 'aloprada', diz ex-exilado político

Para Plínio de Arruda Sampaio, Lula achou outra igual a ele; já Gabeira vê vontade de 'dividir os brasileiros'

Ricardo Chapola, do estadao.com.br

12 de abril de 2010 | 20h23

A declaração de Dilma Rousseff em referência à luta armada contra a ditadura militar, dada no sábado, dia 10, na tentativa de atingir o adversário José Serra, criou polêmica. A pré-candidata à Presidência da República pelo PT afirmou não fugir quando a situação fica difícil. "Eu não tenho medo da luta", afirmou Dilma, insinuando que Serra fugiu por medo de lutar contra a ditadura - declaração que acabou atingindo também outros exilados.

 

O estadão.com.br entrevistou os exilados políticos Fernando Gabeira, Plínio de Arruda Sampaio e Aloysio Nunes Ferreira. Leia abaixo o que eles disseram:

 

Plínio de Arruda Sampaio. Exilado entre os anos de 1970 e 1976, hoje é pré-candidato à Presidência da República pelo PSOL.

 

"Acho a declaração 'aloprada'. O Lula achou outra igual a ele. Se ela começou assim, imaginem só como ela vai terminar. Assim vai ficar mais fácil vencê-la. Dilma acabou atingindo pessoas que a apoiam, por exemplo o José Dirceu."

Fernando Gabeira. Ficou exilado entre 1970 e 1979, por participar do sequestro do embaixador dos EUA, Charles Elbrick, feito em resposta da não libertação de 15 políticos esquerdistas. Hoje, Gabeira é Deputado Federal do Rio.

 

"Saí do Brasil, fui banido porque sequestrei um embaixador. Esta declaração é coisa bem típica de Dilma: ela gosta de dividir os brasileiros entre si, os que foram de mala, e os que foram sem; os que vão de ônibus, e os que vão à pé."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.