Declaração de ACM foi feita por vingança, diz Tebet

O presidente do Conselho de Ética do Senado, Ramez Tebet (PMDB-MS), disse hoje que a atitude do senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) de dizer que ele (Tebet) teria votado contra a casação do ex-senador Luiz Estevão (PMDB-DF) "é de vingança", porque ele (Tebet) fez o encaminhamento das votações no Conselho de Ética, durante o processo de investigação do episódio de violação do painel de votação eletrônica do Senado, de forma contrária à que ACM queria. "Eu não o atendi no sentido de que a votação do conselho fosse secreta, e já havia aprovado no conselho um voto de censura contra ele, e ele chegou a ficar sem conversar comigo", disse. Tebet voltou a afirmar que crime foi ACM e o ex-senador José Roberto Arruda (sem partido-DF) terem violado o painel, e não a votação secreta na sessão de cassação de Estevão. Sobre a possibilidade de ele próprio dizer qual foi seu voto naquela sessão, Tebet afirmou: "Eu não vou fazer o jogo dele (ACM). Eu exercitei um direito. Não vou falar, até porque sou presidente do Conselho de Ética. Não é ele quem vai me fazer falar. Ele já perdeu credibilidade para tudo, quanto mais para a lista". Quanto à possibilidade de vir a processar ACM, que agora está sem imunidade parlamentar, Tebet disse: "Nunca o fiz (mover um processo) por assuntos políticos, mas não vou dizer que não vou".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.