Decisões sobre Sarney no Conselho de Ética devem ser adiadas

Informação que chegou ao presidente Lula é que as decisões 'foram jogadas' para a próxima semana

Tânia Monteiro, de O Estado de S. Paulo,

05 de agosto de 2009 | 14h26

O governo trabalha com a expectativa de que a reunião do Conselho de Ética, marcada para esta tarde para analisar as ações contra o presidente do Senado, José Sarney, será adiada. Segundo fonte, mesmo que o Conselho se reúna, a informação que chegou ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva é que as decisões "foram jogadas" para a próxima semana.

 

Veja Também

 

linkSenado barra pagamento de contratados por ato secreto

linkSarney revalida 36 dos 663 atos secretos do Senado

video O bate boca entre Renan Calheiros e Pedro Simon

video Fernando Collor manda Pedro Simon engolir o que disse

especialNas páginas do Estadão, a luta contra a censura

 

Desde ontem, o que prevalecia entre senadores era a previsão de que o presidente do Conselho, Paulo Duque, arquivasse, ainda hoje, cinco representações: as três apresentadas pelo senador Arthur Virgílio (PSDB-AM) e as do PSOL contra Sarney e o atual líder do PMDB, Renan Calheiros (AL). Essa fonte ouvida pela Agência Estado avaliou que a tendência é a de que o clima de confronto no Senado não deve se repetir.

 

A situação teria se revertido em função da bem-sucedida operação do PMDB, que decidiu partir para o confronto e defender Sarney. Ao mesmo tempo, a decisão do PT ontem de cancelar a reunião da bancada do Senado também contribuiu para "baixar a temperatura", além do entendimento dos petistas de não apoiarem a proposta da oposição de uma ação conjunta em defesa da renúncia de Sarney à presidência da Casa. O presidente Lula, de acordo com o interlocutor, tem preferido não interferir diretamente no conflito no Senado, embora mantenha contatos nos bastidores.

 

Lula tem conversado sobre o assunto com o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, e com o líder do PT no Senado, Aloizio Mercadante (SP). Hoje, o presidente voltará a avaliar a situação no Senado em almoço com o governador de Pernambuco, Eduardo Campos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.