ED FERREIRA/ESTADÃO
ED FERREIRA/ESTADÃO

Decisões do PMDB e PP devem ser mantidas por Temer

Entre as decisões, estão o esvaziamento das funções da Aneel na fiscalização de atrasos em obras e o socorro às distribuidoras ineficientes da Eletrobrás

André Borges e Anne Warth, O Estado de S.Paulo

21 de maio de 2016 | 19h00

BRASÍLIA - Decisões tomadas por ministros do PMDB e do PP dificilmente serão revistas pela gestão do presidente em exercício Michel Temer. Esse seria o caso, por exemplo, do esvaziamento das funções da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) na fiscalização de atrasos em obras, uma decisão tomada pelo então ministro de Minas e Energia, o senador Eduardo Braga (PMDB-AM).

Outro exemplo é o socorro às distribuidoras ineficientes da Eletrobrás, que já foi acertado em medida provisória, em um acordo entre Braga, o senador Edison Lobão (PMDB-MA), que também ocupou a pasta, e o atual ministro do Planejamento, Romero Jucá. Não deverá, portanto, ser revisto.

Ao pedir um levantamento dos problemas do ministério, o novo ministro da área, Fernando Coelho Filho (PSB-PE), recebeu uma lista de 40 itens, todos sobre energia elétrica. Para a nova equipe, é preciso se debruçar sobre todos os temas, como petróleo, gás e mineração, mas sem apontar culpados. A ideia é propor soluções que avancem para além de questões emergenciais e pontuais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.