Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Decisão sobre voto aberto em caso de Aécio causou surpresa, diz secretário-geral do Senado

Mello Filho diz, também, que Senado ainda não foi oficialmente informado da determinação dada na sexta-feira pela Justiça

Julia Lindner, Thiago Faria e Renan Truffi, O Estado de S.Paulo

16 de outubro de 2017 | 20h57

BRASÍLIA - O secretário-geral da Mesa do Senado, Luiz Fernando Bandeira de Mello Filho, disse ter recebido com surpresa a decisão do juiz Márcio Luiz Coelho de Freitas, que determinou o voto aberto no caso do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG), na última sexta-feira, 13. Segundo o secretário-geral, o Senado não foi informado oficialmente da decisão até esta segunda-feira.

+++ DIRETO DA FONTE: Aécio Neves pediu ao STF votação aberta para caso de Delcídio

A votação que pode derrubar a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que impõe medidas cautelares ao senador está marcada para esta terça-feira, 17.

"Causou certa surpresa a notícia pela imprensa de que um juiz de primeira instância teria dado uma liminar a respeito do processo legislativo do Senado. Eu desconheço se de fato essa decisão é oficial. Não fomos intimados até o momento. Acredito que, se for verdadeiro, isso causará certo estranhamento na Casa, em virtude da autoridade que teria proferido tal decisão", disse Bandeira à agência de notícias do Senado.

+++ Moraes é relator de mandado de segurança para que votação sobre Aécio seja aberta

+++ Votação sobre afastamento de Aécio deve ter ausência de 12 senadores

Ele considera que o regimento interno do Senado prevê votação secreta para este tipo de caso, embora o termo "secreto" não conste mais no trecho da Constituição que trata do assunto. Para o secretário-geral, a decisão final sobre a modalidade de votação pode ser do plenário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.