Decisão sobre propaganda eleitoral causa racha no PSDB

A cúpula do PSDB rachou em torno da conveniência de apressar o lançamento de um candidato tucano à Presidência da República, para enfrentar o crescimento da governadora do Maranhão,Roseana Sarney (PFL), nas pesquisas eleitorais. Reunidos ontem à noite para discutir sucessão presidencial e o programa eleitoral gratuito que vai ao ar em cadeia de rádio e televisão na semana que vem, os dirigentes tucanos não se entendem sobre que estratégia convém à legenda, aos pré-candidatos e ao governo."Estabeleceu-se um clima natural de muita aflição porque o PFL foialtamente competente e fez um programa perfeito", avaliou o líder do governo no Senado, Artur da Távola (PSDB-RJ). "Eu vi o programa e fiquei impactado", confessou o secretário-geral do PSDB, Márcio Fortes (RJ). Ainda assim, Fortes negava-se a mudar a decisão anterior de centrar o horário gratuito do PSDB na divulgação dos feitos do governo, bem ao estilo dos três comerciais de 30 segundos que foram ao ar ontem mesmo. "São programas impessoais, mostrando os projetos do PSDB queforam incorporados pelo governo", explicou o deputado. Se depender de Fortes e do ministro da Saúde, José Serra, que se nega a participar das gravações para que não confundam sua fala com o lançamento de sua candidatura, a exceção ficará por conta apenas do presidente Fernando Henrique Cardoso. O mais ilustre representante do alto tucanato gravou na sexta-feira sua participação no programa de 20 minutos que será exibido no dia 15, falando de improviso sobre sua administração. Não é o que pensam o presidente do partido, deputado José Aníbal (SP), nem os governadores e pré-candidatos tucanos ao Palácio do Planalto, Tasso Jereissati, do Ceará, e Dante de Oliveira, de MatoGrosso. Mesmo sem comparecer a reunião, como haviam cogitado na véspera, os dois e o governador do Pará, Almir Gabriel (PSDB),conversaram por telefone; procuraram o presidente do partido e ainda fizeram chegar suas posições à reunião da executiva, por meio de um fax. "Achamos que o partido não pode perder a oportunidade de mostrar sua cara", resume o governador Dante, que entrou em acordo com os colegas antes de definir os termos do fax enviado à executiva.No documento, Dante pede a participação de todos os pré-candidatos tucanos ao Planalto nos comerciais e a participação dos governadores no programa do dia 15, ao lado do presidente, "informando à sociedade os projetos que estão sendo bem conduzidos nos Estados governados pelo PSDB e que são do interesse nacional do partido". "O PSDB tem que ter coragem de encarar as prévias internas", emendou a deputada Zulaiê Cobra Ribeiro (PSDB-SP), ao anunciar que Renata Covas, filha do ex-governador de São Paulo Mário Covas e eleitora ruidosa de Tasso Jereissati também participaria da reunião. "Serra tem que participar do programa porque é um excelente ministro" cobrou Zulaiê.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.