Agência Senado
Agência Senado

Decisão sobre perda de mandato de Delcídio deve ficar para 2016

Segundo o presidente do Conselho de Ética do Senado, João Alberto Souza, processos anteriores não tiveram nenhum desfecho antes de transcorridos ao menos 60 dias

Erich Decat, O Estado de S.Paulo

02 de dezembro de 2015 | 15h55

BRASÍLIA - A conclusão do processo no Conselho de Ética do Senado pela perda do mandato do senador Delcídio Amaral (PT-MS) deve ocorrer apenas no próximo ano. Apoiado no regimento do colegiado, o presidente do Conselho, senador João Alberto Souza (PMDB-MA), disse nesta quarta-feira, 2, que processos anteriores não tiveram nenhum desfecho antes de transcorridos ao menos 60 dias.

“O ano legislativo acaba no dia 22 e se não me falha a memória, só o prazo para o Delcídio se defender é de 10 a 15 dias. Tivemos vários processos anteriores como o do Luiz Estevão, Jader Barbalho, José Robeto Arruda, Antônio Carlos Magalhães. Nenhum desses casos foi decidido com menos de 60 dias”, ressaltou João Alberto ao Estado.

Segundo o senador, ele deve receber nesta quarta a representação apresentada ontem pela Rede e o PPS em que pedem a abertura de processo de cassação contra Delcídio Amaral (PT-MS), que está preso desde a última quarta-feira acusado de tentar atrapalhar as investigação da Operação Lava Jato.

“O presidente do Conselho é o guardião do regimento do Senado, eu não vou atropelá-lo, vou cumprir o ritual. A primeira coisa é receber a representação feita e encaminhar ao setor jurídico, o que deve ocorrer até amanhã. Eu acredito que só na semana quem vem a assessoria conclua e me devolva. A partir daí, tenho 5 dias para admitir ou não. Temos que ver o que tem de comprobatório. Mas eu geralmente cumpro o que a assessoria diz”, afirmou João Alberto.

Ligado ao ex-presidente José Sarney (PMDB-AP) e ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), João Alberto foi um dos que votou pela liberação de Delcídio em sessão realizada no plenário do Senado na última quinta-feira, 26. “Eu não votei pela permanência dele na prisão. Não achei que era flagrante. E também achava que ele deveria ter tido o contraditório. Não significa que eu não possa mudar minha opinião no andar do processo”, ressaltou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.