Decisão do STF sobre foro não atrapalhará PF, diz Tarso

Supremo decidiu na última quarta-feira impedir a PF de indiciar pessoas que possuem foro privilegiado

LISANDRA PARAGUASSÚ, Agencia Estado

11 Outubro 2007 | 18h08

O ministro da Justiça, Tarso Genro, afirmou nesta quinta-feira,11,  que a decisão de impedir a Polícia Federal de indiciar pessoas que possuem foro privilegiado, tomada na última quarta pelo Supremo Tribunal Federal (STF), não atrapalhará o trabalho de investigação da PF. O indiciamento, afirmou Tarso, é o ato final e não importa se a denúncia terá de ser feita pelo Procurador Geral da União. "Não atrapalha porque o ato de indiciamento é um ato final. Então a Polícia Federal, fazendo investigações, levanta determinados indícios, coleta provas e oferece ou para o Ministério Público, ou diretamente para o Supremo para avaliar ou não o indiciamento. O indiciamento é o início de uma imputação", afirmou. Tarso lembrou que a decisão do STF não foi unânime, o que indica ser uma "matéria controversa". "Mas o que vale é a opinião da maioria. A Polícia Federal tem que se adaptar a essa interpretação do Supremo e agilizar procedimentos para cumprir bem o seu trabalho", afirmou. "Essa é a visão do Ministério da Justiça e é assim que a Polícia Federal vai proceder daqui para frente".

Mais conteúdo sobre:
Foro Privilegiado STF Tarso Genro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.