ALEX SILVA/ESTADAO
ALEX SILVA/ESTADAO

Decisão do STF que tira de Moro menções a Lula é estranha, diz Marina

'Pra gente é muito difícil entender, (a decisão) já havia sido confirmada por duas vezes e agora foi retirado do juiz Sérgio Moro', afirma presidenciável

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2018 | 18h29

BRASÍLIA  - A pré-candidata da Rede à Presidência da República, Marina Silva, disse nesta quinta-feira que causou 'estranhamento' a decisão da 2ª turma do Supremo Tribunal Federal (STF) de retirar do juiz Sérgio Moro as menções ao ex-presidente Lula, condenado e preso na Operação Lava Jato, da delação da Odebrecht que tratam do sítio de Atibaia (SP) e do Instituto Lula. "Pra gente é muito difícil entender, (a decisão) já havia sido confirmada por duas vezes e agora foi retirado do juiz Sérgio Moro", disse Marina após debate com representantes do Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri) em um restaurante na zona sul do Rio.

+ Marina e Barbosa mantêm volume de menções no Twitter, diz pesquisa da FGV

Para Marina, o País vive uma crise na qual a política se "descredenciou para mediar os diferentes interesses da sociedade, que recorre à Justiça o tempo todo, seja em função de não ter legitimidade e credibilidade para operacionalizar seus próprios conflitos, seja em função dos erros graves que cometeu de crimes de corrupção e de todos os problemas que a Lava Jato mostrou para a sociedade brasileira", declarou.

Ela não quis avaliar, no entanto, se o Brasil vive um momento de insegurança jurídica. "Não tenho elementos para afirmar isso", disse a jornalistas.

Marina frisou que pretende, se ganhar a eleição à Presidência, garantir todos os contratos já assinados por governos anteriores, mantendo assim a segurança jurídica, mas criticou a privatização da Eletrobras do jeito que está sendo feita. "Tem que ter debate e o melhor é que fique para o próximo governo." Ela negou porém que possa cancelar leilões de petróleo, para proteger o meio ambiente, como pregam ambientalistas.

+ Barbosa diz ser contra ‘posições ultraliberais’

"Não tenho nenhum problema com privatizações, em manter contratos e fazer leilões idôneos em relação a rodadas (de petróleo). Obviamente que os recursos têm que ir para saúde e educação", avaliou. Já a exploração de petróleo e gás natural na Amazônia, segundo ela, é um caso à parte, tem que ser viável", ressaltou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.