'Decisão do STF foi muito razoável', diz defesa da JBS

Pierpaolo Bottini comemora fato de tribunal preservar delações feitas por executivos da empresa

Rafael Moraes Moura e Breno Pires, O Estado de S.Paulo

29 de junho de 2017 | 18h41

BRASÍLIA - O advogado Pierpaolo Bottini, que defende o Grupo J&F, elogiou a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) no sentido de que acordos de colaboração premiada, após homologação, só podem ter seus termos revisados pelo plenário se o delator descumprir o que foi combinado com o Ministério Público Federal (MPF). Os ministros também firmaram o entendimento de que eventuais ilegalidades que venham a ser descobertas podem levar à anulação do acordo como um todo. 

“O que o STF fez foi limitar as hipóteses diante das quais se pode revisar o acordo. E acho que isso foi bastante importante. Então, acho que essa decisão foi muito razoável”, comentou Bottini.

Na avaliação do advogado, o julgamento preserva a delação da JBS. “O plenário entendeu que há uma legalidade, que não altera nenhuma das suas cláusulas e que será revisado se houver uma ilegalidade patente, uma mentira, um fato superveniente. Eu imagino que isso não vai haver, portanto, acho que o acordo vai se manter rígido”, avaliou o advogado.

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    JBSdelação premiada

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.