Decisão do PSB-MG foi corajosa, diz coordenador da Rede

A Rede Sustentabilidade recebeu de maneira positiva a decisão de candidatura própria do PSB em Minas Gerais, segundo o coordenador de campanha Bazileu Margarido. Ele, que representa o lado da Rede de Marina Silva, na campanha presidencial de Eduardo Campos, disse que "a definição foi muito bem recebida".

ANA FERNANDES, Agência Estado

27 Junho 2014 | 19h45

Na noite desta quinta-feira, 26, depois de uma semana de negociações, a Executiva do PSB mineiro decidiu por 10 votos a sete lançar a candidatura ao governo de Tarcísio Delgado, ex-prefeito de Juiz de Fora e pai do presidente do PSB-MG, Júlio Delgado. Nos bastidores, fala-se que a decisão desgastou a legenda em Minas e rachou os grupos de Júlio, do prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda, e do presidente do Atlético-MG, Alexandre Kalil. Os três são próximos do PSDB no Estado, mas no fim pesou a posição da Executiva nacional do PSB de lançar uma candidatura própria no estado. O próprio Kalil saiu da reunião ontem à noite já retirando sua candidatura a deputado federal e dizendo que agora não pretende se candidatar a nenhuma vaga nas eleições deste ano. "Nunca achamos que seria uma decisão fácil, mas foi uma decisão corajosa e importante do PSB", avalia Bazileu.

O nome de Tarcísio acabou sendo a opção, já que é distante dos tucanos mineiros. Apesar de não ser o primeiro nome na lista da Rede em Minas, onde o grupo havia sustentado o nome do ambientalista Apolo Heringer, a consolidação da candidatura no nome de Tarcísio já é bem aceita, dado que o PSB acabou decidindo apoiar tucanos e petistas, respectivamente, em São Paulo e no Rio. Bazileu elogiou o candidato. "Tarcísio Delgado é uma figura que vem do MDB histórico, das lutas pela democracia, é uma pessoa absolutamente íntegra e de histórico político irrepreensível", afirmou. Bazileu confirmou que, com essa configuração, a Rede e Marina Silva estarão na campanha com o PSB em Minas, ao menos no primeiro turno.

Questionado sobre uma possível mágoa dos integrantes da Rede, por ter suas sugestões de nomes para candidaturas estaduais preteridas e pelas decisões do PSB-SP e do PSB-RJ, Bazileu disse não enxergar a situação dessa forma. "Mágoa é uma coisa individual. Eu não estou magoado."

Sobre a convenção nacional do PSB neste sábado, 28, que oficializará a candidatura de Campos e de Marina como vice, Bazileu disse que o clima é positivo e que há uma "mobilização para fazer uma boa convenção, com expressão política, com relevância". Ele acrescentou não haver qualquer preocupação com a relação do PSB e da Rede. "São dois partidos coligados, mas diferentes. Se fosse pra ter uma posição única em todos os Estados era de se esperar que fossem um partido só."

Mais conteúdo sobre:
eleiçõesMGPSBRede

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.