Decisão de Aécio não muda estratégia do PT, diz Dutra

Para futuro presidente da sigla, desistência do governador mineiro 'só antecipa a definição'

Carol Pires, da Agência Estado,

17 de dezembro de 2009 | 18h35

O presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra, disse nesta quinta-feira, 17, à Agência Estado que a desistência da pré-candidatura do governador mineiro Aécio Neves (PSDB) à presidência da República não altera a estratégia da campanha presidencial petista. Segundo Dutra, o PT focaria a campanha na comparação dos oito anos de governo tucano com os oito anos do governo Lula, independentemente de quem seria o candidato adversário - Aécio Neves ou o governador de São Paulo, José Serra, também do PSDB.

 

Veja Também

linkAécio desiste de pré-candidatura à presidência pelo PSDB

blog JOÃO BOSCO RABELLO: Aécio abre caminho para a chapa puro-sangue

blog JOSÉ ROBERTO TOLEDO: 'PSDB perde seu presidenciável mais governista'

documento Leia a íntegra da carta de desistência de Aécio

"Não muda nada. Só antecipa a definição. Se há alguma surpresa, é em termos de calendário, que esperávamos acontecer no início de 2010 e aconteceu agora. Nossa estratégia não muda nada. Vamos discutir projetos - tem o nosso projeto, e tem o projeto do outro lado. Serra e Aécio são o mesmo projeto, só muda o temperamento de um, a personalidade do outro", afirmou Dutra.

O senador Aloizio Mercadante (SP), líder petista no Senado, endossa a avaliação do presidente do PT: "O fator decisivo nesta eleição é a comparação do governo Lula com o que eles fizeram no governo deles", afirmou.

Na avaliação de Mercadante, Aécio Neves antecipou sua desistência por causa do crescimento da pré-candidatura da ministra Dilma Rousseff (PT) nas pesquisas de intenções de voto. "Isso só acontece porque a Dilma está crescendo, as pesquisas vão mostrar isso. E a situação deles lá (da oposição) é muito difícil. Em 94, nós estávamos assim por causa do Plano Real, e agora é a vez deles, que têm que enfrentar os 80% de popularidade do Lula", afirmou o senador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.