Debate sobre Alca opõe Mercadante a Graça Lima

Um debate realizado, nesta segunda-feira, na Escola Superior de Guerra, no Rio de Janeiro, entre o deputado federal Aloísio Mercadante (PT-SP) e o subsecretário para Assuntos de Integração do Ministério de Relações Exteriores, José Alfredo Graça Lima, mostrou que a chegada da oposição ao governo traria profundas mudanças na forma como a criação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca) seria conduzida no País.O embaixador Graça Lima, tradicionalmente muito calmo, ficou nervoso com as colocações de Mercadante durante o debate e chegou a interromper o deputado por três vezes nas suas colocações finais.O deputado Mercadante afirmou que o Brasil teria muito a perder, negociando com os Estados Unidos. ?Os Estados Unidos têm 77% do PIB das Américas, e o Brasil tem só 7%. Seria uma competição desigual?, disse. ?Seria a mesma coisa que o Popó, por melhor boxeador que seja, ser colocado no mesmo ringue que o Mike Tyson. Ele certamente apanharia.?Já o embaixador Graça Lima considera que é exatamente com os países maiores que o Brasil tem que intensificar suas relações e negociações. ?É nos grandes países, como os Estados Unidos, que estão os mercados que podem ser interessantes para o Brasil. De que adiantaria termos relações de livre comércio com países que têm o mercado consumidor muito pequeno.?O diplomata aproveitou a metáfora do boxe usada por Mercadante para também expor sua posição. ?Popó é um peso pena, e Mike Tyson é peso pesado, e eles não lutariam no mesmo ringue sob as mesmas regras. Na Alca cada país vai buscar suas vantagens e os aspectos nos quais é mais forte?, disse.Mercadante também defendeu uma integração maior dentro da América Latina para que, então, estes países tenham mais força para negociar com os Estados Unidos. ?A Venezuela, por exemplo, é um país que já demonstrou suas intenção de entrar no Mercosul. E nós precisamos fazer com que esse processo avance?, afirmou o deputado.Já Graça Lima considera que não há razões para o Brasil tentar aprofundar a integração na América Latina como uma pré-condição para então entrar em discussões com a América Norte. ?Mesmo os outros países da América Latina estão muito interessados na Alca?, observou.O deputado petista também defendeu a criação na Alca de mecanismos internacionais semelhantes aos adotados na União Européia, como o Parlamento Europeu e a Corte de Justiça Européia.O embaixador Graça Lima, no entanto, disse que a Alca e a União Européia são propostas muito diferentes. ?A Alca é só um projeto de integração econômica, enquanto a União Européia envolve integração política muito mais ampla, que provavelmente nem teria aceitação no Brasil?, disse.Ao fim do debate, Mercadante fez grandes elogios à competência do corpo diplomático brasileiro, mas criticou ironicamente os objetivos perseguidos na política externa do País. ?Nossos diplomatas são muito competentes e conseguem negociar ótimos acordos entre o pescoço e a guilhotina?, afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.