De volta à TV, candidatos comparam gestões em SP

Os candidatos a prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) e José Serra (PSDB) voltam nesta segunda-feira à propaganda eleitoral no rádio e na televisão para dar início a uma campanha de comparação de propostas e gestões passadas, mas também a postos para um "duelo ético" envolvendo os partidos e políticos aliados de ambos. Os programas e as inserções diárias vão ao ar até o dia 26.

BRUNO BOGHOSSIAN, JULIA DUAILIBI, VERA ROSA, FERNANDO GALLO E BRUNO LUPION, Agência Estado

15 de outubro de 2012 | 09h05

A campanha tucana não deixará de explorar o tema do mensalão - na semana passada, o ex-ministro José Dirceu foi condenado por corrupção ativa -, mas em doses mais comedidas. A prioridade será questionar a capacidade administrativa de Haddad. Para isso, vai levar ao ar os problemas relacionados ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e as greves nas universidades federais. O objetivo é criticar a passagem do petista no Ministério da Educação.

A campanha petista, por sua vez, vai reapresentar Haddad ao eleitorado e usar depoimentos da presidente Dilma Rousseff e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Para desgastar o tucano, vai citar a renúncia de Serra à Prefeitura em 2006, um ano e três meses após assumir o cargo.

O primeiro programa de Haddad deve ter um tom leve. À frente nas pesquisas, os petistas vão esperar eventuais ataques tucanos para decidir como responder. O arsenal de contra-ataque, no entanto, já está sendo preparado. A depender de como o eleitorado receber as críticas do PSDB, o PT usará temas delicados para os tucanos, como a suposta compra de votos da reeleição do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso; as acusações envolvendo o ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza, e o aumento do patrimônio de Hussain Aref, ex-diretor da gestão Gilberto Kassab (PSD) suspeito de enriquecer ilicitamente. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2012SPpropaganda gratuita

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.