De todo-poderoso a processado

Em tempo recorde, Dirceu perdeu prestígio

Gabriel Manzano Filho, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2028 | 00h00

São Paulo - Mandão por temperamento, batalhador por necessidade, o superministro José Dirceu certamente não imaginava, em junho de 2005, que o destino lhe reservava para os 26 meses seguintes uma descida de ladeira tão longa, tão pública e tão irrecorrível. Desde o primeiro sinal que lhe passou o inimigo Roberto Jefferson - ''''Sai daí, Zé, sai rapidinho...'''' - até a decisão unânime de ontem, quando o Supremo decidiu processá-lo por corrupção ativa, o outrora temido braço direito do governo Lula viveu cada gota do famoso verso de Shakespeare: ''''As desgraças, quando vêm, vêm em batalhões.''''Como diria seu antigo chefe, nunca ninguém antes, neste país, viu esfarinhar-se tão drasticamente seu capital político em tão pouco tempo. Seu reinado nas alturas, ocupando um enorme espaço de ação política que aborrecia o presidente Lula, teve episódios marcantes. Dirceu convocava outros ministros a seu gabinete. Viajou para Washington e negociou direto com a secretária de Estado, Condoleezza Rice. No caminho ainda se reuniu com Hugo Chávez em Caracas.Certa vez, quando se preparava uma reforma ministerial e lhe perguntaram se iria perder influência, avisou, meio sério, meio brincando: ''''Uma parte do poder vai ficar em nome do Zé e outra parte com o Dirceu.'''' Outras vezes, parecia falar em seu nome, no do ministério, do PT, do Planalto e do Brasil. Quando o mensalão engatinhava, decretou, solene: ''''Este governo não rouba e não deixa roubar.''''O primeiro sinal dos novos ventos foi uma brisa leve - o caso Waldomiro Diniz, do qual Dirceu conseguiu sair sem grandes arranhões, em fevereiro de 2004. O segundo, 15 meses depois, já foi um direto no queixo: a confissão de Jefferson no Conselho de Ética da Câmara, anunciando ao País o mensalão. Dirceu deixou o Planalto com um discurso vigoroso, avisando que ''''também sabia combater na planície''''. Mas as portas da nova casa estavam fechadas. Em meio ao barulho do mensalão, ele viu, já politicamente indefeso, seu nome entrar nas listas de acusados de quebra de decoro.O guerrilheiro não se abalou. Batalhou no Supremo para derrubar as acusações, denunciou ''''um fuzilamento político'''', mas por 293 votos a 192 foi cassado, em 1º de dezembro de 2005.Saiu do poder, mas o poder não lhe saiu da cabeça. Deixava claro, aqui e ali, que mantinha contatos com o presidente Lula. Em jornais ou em seu blog, continuava referindo-se ao governo na primeira pessoa: ''''Precisamos disto, faremos aquilo...''''A primeira pessoa se recolheu, nos últimos dias, à espera de uma decisão. O peso pesado dos bons tempos do PT vai ter de mostrar, daqui por diante, que sabe se defender no canto do ringue.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.