De olho no biodiesel, Rainha fica fora do ´abril vermelho´

Preocupado com seu projeto de produzir biodiesel no Pontal do Paranapanema, extremo oeste do Estado de São Paulo, o líder José Rainha Júnior, ficou fora do "abril vermelho", a jornada de lutas do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST). Rainha espera que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva dê aval para o projeto, que depende de recursos do governo federal, por isso não concorda com a posição do MST de pressionar o governo com as invasões. "Eu tenho um lado, e não escondo. Acho que presidente Lula merece o nosso apoio." Ao invés de comandar invasões, ele percorre acampamentos e assentamentos do Pontal para divulgar o encontro que vai realizar dia 1º de maio, em Mirante do Paranapanema, para discutir o biodiesel. Rainha espera reunir 3 mil pessoas no assentamento São Bento, em Mirante do Paranapanema. "Estou trabalhando dia e noite para organizar o seminário", disse. Apesar de exercer liderança sobre a maioria dos assentados e acampados do Pontal, Rainha não participou de nenhuma das ações da jornada de lutas do MST, marcada por invasões de fazendas e agências bancárias na região. "Já dei a minha contribuição em fevereiro", justificou. Rainha se referiu às ações do carnaval, quando seus liderados, em parceria com sindicatos ligados à Central Única dos Trabalhadores (CUT), invadiram 14 fazendas na região. Segundo Rainha, a luta pela terra é importante, mas também é preciso dar condições para os que já estão assentados. "Estamos com um projeto que vai ajudar as famílias a ter renda própria. Não é para ficar dependendo só do governo." Pinhão manso O encontro vai discutir a cultura do pinhão manso, a planta que Rainha acredita ser a mais adequada para produzir biodiesel na região. Estarão presentes representantes do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Instituto de Terras do Estado de São Paulo (Itesp), universidades e órgãos de pesquisa. Técnicos irão mostrar o potencial da planta para a produção do óleo. O projeto foi apresentado ao Ministério de Desenvolvimento Agrário e à Caixa Econômica Federal (CEF). Rainha quer que o governo o financie. "Está dentro dos propósitos do presidente Lula, de produzir biodiesel e ao mesmo tempo desenvolver a agricultura familiar." O evento terá também caráter político. Rainha convidou o ex-ministro José Dirceu e espera convencê-lo a lançar sua campanha pró-anistia durante o encontro. Para o lançamento oficial da fábrica de biodiesel, em data a ser definida, o líder dos sem-terra espera contar com a presença do presidente. "É um projeto do governo Lula", disse. Liminar O juiz de Mirante do Paranapanema, Rodrigo Franzini Tanamati, deu liminar para a desocupação da fazenda São Francisco, invadida na última segunda-feira por 250 integrantes do MST, no distrito de Costa Machado. O juiz deu prazo até esta quinta-feira para os invasores deixarem a área voluntariamente. Se a saída não ocorrer, os sem-terra serão despejados pela Polícia Militar. O coordenador Valmir Ulisses Sebastião disse que há possibilidade de ocorrer a desocupação ainda nesta quarta-feira, mas os sem-terra podem ir para outra área. "A mobilização vai continuar", afirmou.

Agencia Estado,

25 Abril 2007 | 19h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.